Tag: preto e branco - Melhor Ângulo

Obsessão é um sentimento muitas vezes ligado ao lado mais negativo do comportamento de alguém, mas na fotografia esse estado de preocupação permanente sobre alguma coisa pode se transformar em uma intervenção positiva no trabalho de um fotógrafo. A obra icônica de Roger Mayne deixou evidente os traços da obsessão que tinha e a sua abordagem humanista foi influência para as gerações de fotógrafos que vieram depois dele.

Mayne, falecido em 2014, foi um fotógrafo inglês que ficou muito conhecido pelo seu trabalho que documenta o cotidiano de uma comunidade humilde de um bairro de Londres, particularmente a Southam Street. Entre 1950 e 1960, ainda jovem, ele fotografou repetidamente a mesma rua registrando 1400 fotos em 27 visitas.

A gente se pergunta: o que leva um jovem artista a tanta fixação por um lugar? Dá pra supor que ele tenha se atraído pela diferença social, já que nasceu em uma parte de Cambridge com gente muito diferente da classe operária da Southam Street; ou então a urgência em eternizar o lugar, motivado por algum tipo de pressentimento de que o bairro poderia sumir do mapa por conta da condição precária da região.

A verdade foi que em 1969 a área foi praticamente toda demolida para dar lugar a Trellick Tower, e daí sai mais uma hipótese: quem sabe Roger não teria sido motivado por valores mais altos e pretendesse fazer um statement político parecido com o trabalho do seu mentor Paul Strand? Acho que nunca vamos saber, mas qualquer que fosse o motivo que movia sua obsessão por aquele lugar, ele está eternizado em belos registros monocromáticos.

A galeria The Photographers’s Gallery em Londres está expondo desde março (e fica até junho) o trabalho de Roger Mayne, algo que não acontecia desde 1999, o que deve estar sendo muito bacana pra quem já conhecia o fotógrafo e sentia falta de um destaque maior, o que é muito merecido. Dizem que alguns dias são suficientes para ficar conhecendo o melhor de Londres, por isso ver com calma as fotos do fotógrafo seria com certeza um programa recompensador. A exposição abrange toda a obra de Roger, indo é claro, além das composições da Southam Street, incluindo por exemplo, seus primeiros trabalhos feitos na cidade de Leeds, onde desenvolveu o seu interesse por fotografia e adquiriu um estilo bem mais realista.

São várias séries de fotos de diferentes épocas que pedem para serem vistas, então se alguém aí estiver de bobeira por Londres (me chama!), ainda que seja só por dois ou três dias, vale super a pena incluir essa exposição no roteiro.

Ah, e se essa vibe de fotografia documental chama sua atenção, esse post sobre a fotógrafa Vivian Maier vem a calhar. ;)

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Connor Franta é um youtuber americano que eu acompanho desde 2013. Na verdade confesso que deixei de seguir o moço por uns dois anos, numa fase onde todos os canais gringos pareciam sem graça e mais do mesmo. Mas do fim do ano passado pra cá, Connor (que só ganhou mais seguidores) nadou contra a corrente: diminuiu o número de collabs previsíveis (aquelas participações de outros youtubers), não fala só de seus projetos paralelos e os vídeos ganharam um fator de simplicidade e leveza que me dão o prazer de assistir.

Recentemente ele posou para as lentes do fotógrafo Grant Thomas, um galês que aos 24 anos já clicou para a Vogue, L’Officiel, Flaunt e outras grandes revistas várias. O ensaio todo em preto e branco é escuro para destacar bem os pontos de iluminação no rosto do Connor. Simples e lindo.

connor-franta-by-grant-thomas-1

connor-franta-by-grant-thomas-2

connor-franta-by-grant-thomas-3

connor-franta-by-grant-thomas-4

connor-franta-by-grant-thomas-5

connor-franta-by-grant-thomas-6

Connor Franta · Youtube · Instagram · Twitter · Tumblr
Grant Thomas · Site · Instagram

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Hoje eu começo aqui no blog uma nova tag, a #ObcecadoPor. Eu estou sempre mergulhado em alguma obsessão e tenho a capacidade de ficar horas e horas pesquisando sobre ela. Vejam, esses posts serão diferentes dos posts de inspiração que vocês já estão acostumados, ou até os moodboards que eu monto de vez em quando. A diferença aqui é que o assunto escolhido será sempre algo que tem me chamado atenção pessoalmente e naquele momento, sem temas escolhidos aleatoriamente. E pode ser sobre qualquer coisa, qualquer coisa mesmo: uma tendência de design, um técnica fotográfica, uma série, um diretor, uma banda, um estilo musical, uma trend de moda, uma cor… ou duas cores.

Pra começar essa brincadeira eu gostaria de dizer que estou obcecado por preto e branco, amigos. Com uma leve inclinação para o preto, eu diria. Eu sou e sempre fui apaixonado por cores, raramente imagino qualquer coisa em preto e branco, mas ultimamente a saturação tem dado uma maneirada no meu gosto. Roupas, sapatos, objetos de decoração, até o efeito escolhido no VSCO Cam na hora de editar uma foto pro Instagram tem tido influência do preto e branco. Eu não falo necessariamente do P&B fotográfico, mas dessas cores aplicadas no dia-a-dia, sabe? E o engraçado é que se você começa a aplicar o preto e o branco nas coisas, as duas geralmente pedem que todo o resto seja menos colorido, então tudo começa a ficar mais sóbrio por si só.

Fiz uma seleção de referências pra esse post, e decidi que pra fazer as montagens dessa tag vou fazer questão de procurar em cada uma das minhas redes sociais por likes, reblogs e repins associados ao tema, afinal é pra ser tudo real, certo? Preto no branco (não resisti)! As imagens de hoje vieram do Instagram, Lookbook, Pinterest e Tumblr. No fim do post tem um link pra cada uma delas, caso vocês queiram jogar nas redes de vocês também! ;)

Preto e branco

1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. 11. 12. 13. 14. 15. 16. 17.

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

September 10, 1955

Hoje resolvi falar de uma mulher que nunca se considerou, nem nunca teve pretensão de ser uma fotógrafa, mas que atualmente tem seu trabalho comparado ao de grandes nomes da fotografia como Henri Cartier-Bresson.

Vivian Maier nasceu em 1926, Nova York, e passou a infância e adolescência na França. Por volta dos 25 anos, voltou para os Estados Unidos começando a trabalhar em uma fábrica que explorava seus empregados sem recompensá-los à altura. Cansada do trabalho injusto, Vivian, sempre apegada com crianças, decidiu se tornar uma babá, ocupação que preencheu mais de 40 anos de sua vida.

O curioso nessa história toda é que Vivian nutria uma grande paixão por fotografia, andava sempre com sua Rolleiflex na bolsa e fotografava tanto ela mesma quanto pessoas nas ruas, situações engraçadas, dramáticas, românticas, alegres e tristes. Mas não compartilhava com ninguém, nem amigos, nem patrões. No máximo, mostrava algumas fotos para as crianças que cuidava, já que estavam sempre curiosas para ver como tinham se saído como modelos.

No date, Canada

April 7, 1960, Florida

May 5, 1955, New York, NY

Mas eis que em 2007, John Maloof, pesquisando fotos antigas de um bairro para ilustrar o livro que estava co-escrevendo, soube de um evento que leiloaria uma caixa com mais de 1000 negativos e alguns filmes sequer revelados. John ganhou o leilão, mas olhando algumas das imagens, viu que não havia encontrado o que precisava; guardou o material no armário.

O livro foi lançado, se passaram meses e só aí John resolveu olhar mais a fundo aquilo tudo. Descobriu fotografias incríveis e de técnica e bom gosto surpreendentes para uma caixa que havia sido leiloada sem muitos interessados. Vivian era totalmente desconhecida, e infelizmente, só se teve notícia dela em seu falecimento em 2009, Chicago.

Com apenas algumas fotos e a história contada em um fórum na internet, John recebeu grande atenção da mídia e Vivian Maier finalmente teve o reconhecimento que merecia, mas que talvez nem quisesse. Nunca saberemos qual é a opinião dela sobre isso, mas que o mundo da fotografia ganhou mais um grande exemplo para se inspirar, ah, isso eu afirmo que ganhou.

Veja a matéria do Chicago Tonight Show e também o documentário Vivian Maier, Photographer:

Conheci a Vivian em 2011, em uma das aulas de História da Fotografia na faculdade, e desde então, ela é uma das minhas grandes inspirações. Selecionei mais de 30 fotos de seu portfólio e não consegui excluir nenhuma para diminuir a quantidade. Vale a pena ver todas. :)

Untitled, Undated

Christmas Eve of 1953, 78th St & 3rd Ave. New York, NY

End of April, 1953, New York, NY

May 28, 1954, New York, NY

Untitled, 1954

1954, New York, NY

Continue Lendo

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+