Tag: nova york - Melhor Ângulo

paris-versus-new-york-ze-zorzan-2

Vahram Muratyan vive sua vida alternando entre duas cidades: Paris e Nova York. Observador e apaixonado pelas características que constroem o perfil de cada uma — os detalhes, os clichês e contradições —, Vahram resolveu confrontá-las através de ilustrações minimalistas e charmosas.

Dessa ideia surgiu um blog, que não demorou muito a fazer sucesso na internet e transformar a brincadeira em livro, recheado com mais de 100 comparações, todas amigáveis, é claro. As ilustrações eu já conhecia desde 2012, quando elas estouraram, mas foi só há alguns meses que ganhei o livro de uma amiga e pude ver todo esse trabalho em mãos. É uma boa dica de presente pra quem é apaixonado por Paris, Nova York ou (por que não?) ambas!

paris-vs-new-york-3

paris-vs-new-york-8

paris-vs-new-york-1

paris-vs-new-york-6

paris-vs-new-york-7

paris-vs-new-york-4

paris-vs-new-york-5

paris-vs-new-york-2

O livro foi publicado no Brasil com essa capa salmão, mas ele já foi produzido também numa capa branca, amarela, azul, uma versão maior com capa dura e jacket e ainda um box com as comparações em forma de cartõezinhos, fofura demais.

paris-versus-new-york-ze-zorzan

Paris versus New York · Saraiva · Livraria Cultura · Amazon
Vahram Muratyan · Site · Instagram
Post originalmente publicado no dia 24/11/2012 e revisado para se adequar aos novos padrões editoriais do blog.

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

September 10, 1955

Hoje resolvi falar de uma mulher que nunca se considerou, nem nunca teve pretensão de ser uma fotógrafa, mas que atualmente tem seu trabalho comparado ao de grandes nomes da fotografia como Henri Cartier-Bresson.

Vivian Maier nasceu em 1926, Nova York, e passou a infância e adolescência na França. Por volta dos 25 anos, voltou para os Estados Unidos começando a trabalhar em uma fábrica que explorava seus empregados sem recompensá-los à altura. Cansada do trabalho injusto, Vivian, sempre apegada com crianças, decidiu se tornar uma babá, ocupação que preencheu mais de 40 anos de sua vida.

O curioso nessa história toda é que Vivian nutria uma grande paixão por fotografia, andava sempre com sua Rolleiflex na bolsa e fotografava tanto ela mesma quanto pessoas nas ruas, situações engraçadas, dramáticas, românticas, alegres e tristes. Mas não compartilhava com ninguém, nem amigos, nem patrões. No máximo, mostrava algumas fotos para as crianças que cuidava, já que estavam sempre curiosas para ver como tinham se saído como modelos.

No date, Canada

April 7, 1960, Florida

May 5, 1955, New York, NY

Mas eis que em 2007, John Maloof, pesquisando fotos antigas de um bairro para ilustrar o livro que estava co-escrevendo, soube de um evento que leiloaria uma caixa com mais de 1000 negativos e alguns filmes sequer revelados. John ganhou o leilão, mas olhando algumas das imagens, viu que não havia encontrado o que precisava; guardou o material no armário.

O livro foi lançado, se passaram meses e só aí John resolveu olhar mais a fundo aquilo tudo. Descobriu fotografias incríveis e de técnica e bom gosto surpreendentes para uma caixa que havia sido leiloada sem muitos interessados. Vivian era totalmente desconhecida, e infelizmente, só se teve notícia dela em seu falecimento em 2009, Chicago.

Com apenas algumas fotos e a história contada em um fórum na internet, John recebeu grande atenção da mídia e Vivian Maier finalmente teve o reconhecimento que merecia, mas que talvez nem quisesse. Nunca saberemos qual é a opinião dela sobre isso, mas que o mundo da fotografia ganhou mais um grande exemplo para se inspirar, ah, isso eu afirmo que ganhou.

Veja a matéria do Chicago Tonight Show e também o documentário Vivian Maier, Photographer:

Conheci a Vivian em 2011, em uma das aulas de História da Fotografia na faculdade, e desde então, ela é uma das minhas grandes inspirações. Selecionei mais de 30 fotos de seu portfólio e não consegui excluir nenhuma para diminuir a quantidade. Vale a pena ver todas. :)

Untitled, Undated

Christmas Eve of 1953, 78th St & 3rd Ave. New York, NY

End of April, 1953, New York, NY

May 28, 1954, New York, NY

Untitled, 1954

1954, New York, NY

Continue Lendo

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

A pauta de hoje eu descobri na timeline do Facebook, se não me engano em um post da Paula. E tô pra te contar, esse é um daqueles projetos que zeram a internet, sério mesmo.

Mike Matas é um designer americano que já trabalhou na Apple como designer de interface e experiência de usuário e hoje está no Facebook, como designer de produto. Nas horas vagas ele pega sua Canon EOS 5D Mark II (bem básica, sabe?) e fotografa como hobby, mas engana fácil como profissional.

Seu tema favorito é a rotina, e de longe a gente percebe. No site oficial você vê todos os projetos relacionados que ele já executou, incluindo o último, chamado Roadtrip USA. Mike e sua namorada simplesmente pegaram o carro e viajaram de São Francisto a Nova York, o que significa atravessar os Estados Unidos! Não é à toa que foram duas semanas para completar o trajeto. Mas o mais legal de tudo é que eles registraram todos os detalhes da viagem, e o resultado foram 5000 fotos, reunidas em um vídeo de apenas 3 minutos.

Pena que ele não disponibilizou todas pra gente ver com calma. No site e no Facebook dá pra checar apenas as favoritas e selecionadas especialmente para passear pela internet.

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Rodrigo Bueno

Pé na estrada, novos espaços, possibilidades e muita vontade de vencer naquilo que gosta. De chapeiro no Texas, vocalista de uma banda de rock a Designer Gráfico, muita coisa rolou, mas correr atrás daquilo que acredita sempre foi o lema desse cara de 29 anos, dos quais cinco foram de ascenção na carreira de fotógrafo. Esse é Rodrigo Bueno, dono das lentes que fotografam marcas e rostos expoentes no mundo da moda.

Campanhas e editorias de grifes como Maria Filó, Foxton, Patachou, Cholet, Coca Cola Clothing, Coven, Velvet Goldmine circulam por badaladas revistas do circuíto fashion com a assinatura de Bueno. Capricho, Vogue, Fashion Rio, SPFW e NY Fashion Week foram alguns insights de uma sequência de acertos.

Vocês devem saber, o trabalho de fotógrafo profissional encontra muitas barreiras por aqui. E quando aliado ao mundo da moda a exigência é ainda maior, pois, além da técnica, tudo deve estar sintonizado: a vibe, a performance e muito jogo de cintura para driblar os imprevistos.

Com um pé em Nova York, eu, Pilar tive a oportunidade de entrevistar o rapaz com exclusividade para o Melhor Ângulo, bora ver o resultado e conhecer um pouco desse talento nacional que conquista, passo a passo, a moda internacional?

1) Como a fotografia deixou de ser um hobbie e se tornou profissão?

Comecei a fotografar com 14 anos. No segundo período da faculdade eu aprendi a revelar, ampliar, algumas coisas básicas de iluminação em estúdio. Daí comecei a me interessar mais até que me chamaram para o primeiro trabalho como fotógrafo.

2) Como foi o início de sua carreira como fotógrafo? E qual foi seu primeiro
trabalho?

Foi muito difícil porque não fui assistente de ninguém, eu comecei fotografando bandas de amigos meus. Fazia fotos dos shows e fotos promocionais das bandas. Meu primeiro trabalho foi para a revista Capricho, fiz um retrato de um dos atores da Malhação!

2) Por que escolheu fotografar moda?

Depois de um tempo fotografando shows eu passei a achar chato, sempre via as revistas de moda nas bancas e tinha vontade de que uma daquelas fotos fosse minha. Daí comecei a entrar em contacto com estilistas, stylists, maquiadores, agências e comecei meu portfólio.

3) Acompanhamos seus trabalhos para marcas e eventos super conceituados. Você ouviu muito ”não” até chegar onde está hoje?

Sim, já ouvi muito não e continuo ouvindo, a cada não que eu recebo eu penso que preciso melhorar e isso tem feito meu trabalho evoluir muito.

3) Quais os principais requisitos para um fotógrafo de moda?

Você precisa entender do assunto que está fotografando. Na moda a foto acaba sendo muito mais do que só a roupa.
Mas ao mesmo tempo tudo influência: cabelo, maquiagem, locação, produção… Nenhuma pessoa da equipe pode errar.
É preciso entender a roupa, dirigir a modelo, saber a melhor luz para cada trabalho…

4) Prefere fotografar em estúdio ou externa?

Depende do trabalho. Eu amo fotografar com luz natural, talvez por isso prefira externa. Mas estúdio tem todo seu conforto.

5) Como encarar imprevistos como: falhas na produção, mau humor dos modelos e outras coisas que tirariam você do sério? Já houve alguma situação em que tudo parecia perdido e acabou dando certo?

Tem que ter muita paciência, prefiro trabalhar com pessoas que já conheço e que possuem os gostos parecidos com os meus. Aconteceu em um dos últimos trabalhos. Eu tinha programado onde seria cada foto, o editorial ia ser de dia (todo com luz natural) mas acabou sendo na rua, à noite (eu nunca tinha feito foto externa a noite) e ficou lindo.

6) Como é o dia-a-dia de um fotógrafo da moda?

É ótimo por não ter rotina nenhuma, poder viajar bastante, conhecer gente nova a cada trabalho… Ao mesmo tempo não ter uma rotina às vezes atrapalha, mas tudo bem. Eu amo não ter a rotina, mesmo com toda correria de um lado pro outro e datas de trabalhos que mudam o tempo inteiro.

7) Nos últimos meses morou em Nova York, me conte da sua experiencia lá.

Foi ótimo, fotografei a semana de moda de lá. Fazia as fotos de teste das modelos da Marilyn, que é uma das melhores agências de lá, e aproveitei para estudar mais iluminação.

8) Ocorrem diferenças entre o reconhecimento profissional do fotógrafo no Brasil e no exterior? Qual a maior dificuldade?

No exterior eles reconhecem que cada fotógrafo tem seu estilo e contratam você pelo seu estilo. Aqui normalmente contratam você e falam como querem as fotos (nem sempre o fotógrafo fica livre). A maior dificuldade é começar… conseguir montar um portfólio bom o bastante para confiarem em você.

9) Qual seria a dica de incentivo para quem está começando?

Comece fazendo assistência para algum fotógrafo que tenha um estilo que você goste. Com certeza em um dia de assistência você vai aprender mais do que em qualquer curso. E batalhar muito para chegar onde quer, não ter preguiça em nenhum momento, porque não é fácil!

E aí, gostaram do trabalho do Rodrigo? Pilar, nossa colaboradora de moda feminina fazendo a representante internacional, chique é pouco minha gente! Valeu pela entrevista, Rodrigo, seu trabalho é incrível e vai inspirar muita gente que quer seguir os mesmos passos!

SiteTumblrEmail: bueno@rodrigobueno.com.br
Telefone em NY: 1 347 634 1712 – Telefone no Rio: (21) 7838-7167

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+