Tag: moda - Página 3 de 3 - Melhor Ângulo

Rodrigo Bueno

Pé na estrada, novos espaços, possibilidades e muita vontade de vencer naquilo que gosta. De chapeiro no Texas, vocalista de uma banda de rock a Designer Gráfico, muita coisa rolou, mas correr atrás daquilo que acredita sempre foi o lema desse cara de 29 anos, dos quais cinco foram de ascenção na carreira de fotógrafo. Esse é Rodrigo Bueno, dono das lentes que fotografam marcas e rostos expoentes no mundo da moda.

Campanhas e editorias de grifes como Maria Filó, Foxton, Patachou, Cholet, Coca Cola Clothing, Coven, Velvet Goldmine circulam por badaladas revistas do circuíto fashion com a assinatura de Bueno. Capricho, Vogue, Fashion Rio, SPFW e NY Fashion Week foram alguns insights de uma sequência de acertos.

Vocês devem saber, o trabalho de fotógrafo profissional encontra muitas barreiras por aqui. E quando aliado ao mundo da moda a exigência é ainda maior, pois, além da técnica, tudo deve estar sintonizado: a vibe, a performance e muito jogo de cintura para driblar os imprevistos.

Com um pé em Nova York, eu, Pilar tive a oportunidade de entrevistar o rapaz com exclusividade para o Melhor Ângulo, bora ver o resultado e conhecer um pouco desse talento nacional que conquista, passo a passo, a moda internacional?

1) Como a fotografia deixou de ser um hobbie e se tornou profissão?

Comecei a fotografar com 14 anos. No segundo período da faculdade eu aprendi a revelar, ampliar, algumas coisas básicas de iluminação em estúdio. Daí comecei a me interessar mais até que me chamaram para o primeiro trabalho como fotógrafo.

2) Como foi o início de sua carreira como fotógrafo? E qual foi seu primeiro
trabalho?

Foi muito difícil porque não fui assistente de ninguém, eu comecei fotografando bandas de amigos meus. Fazia fotos dos shows e fotos promocionais das bandas. Meu primeiro trabalho foi para a revista Capricho, fiz um retrato de um dos atores da Malhação!

2) Por que escolheu fotografar moda?

Depois de um tempo fotografando shows eu passei a achar chato, sempre via as revistas de moda nas bancas e tinha vontade de que uma daquelas fotos fosse minha. Daí comecei a entrar em contacto com estilistas, stylists, maquiadores, agências e comecei meu portfólio.

3) Acompanhamos seus trabalhos para marcas e eventos super conceituados. Você ouviu muito ”não” até chegar onde está hoje?

Sim, já ouvi muito não e continuo ouvindo, a cada não que eu recebo eu penso que preciso melhorar e isso tem feito meu trabalho evoluir muito.

3) Quais os principais requisitos para um fotógrafo de moda?

Você precisa entender do assunto que está fotografando. Na moda a foto acaba sendo muito mais do que só a roupa.
Mas ao mesmo tempo tudo influência: cabelo, maquiagem, locação, produção… Nenhuma pessoa da equipe pode errar.
É preciso entender a roupa, dirigir a modelo, saber a melhor luz para cada trabalho…

4) Prefere fotografar em estúdio ou externa?

Depende do trabalho. Eu amo fotografar com luz natural, talvez por isso prefira externa. Mas estúdio tem todo seu conforto.

5) Como encarar imprevistos como: falhas na produção, mau humor dos modelos e outras coisas que tirariam você do sério? Já houve alguma situação em que tudo parecia perdido e acabou dando certo?

Tem que ter muita paciência, prefiro trabalhar com pessoas que já conheço e que possuem os gostos parecidos com os meus. Aconteceu em um dos últimos trabalhos. Eu tinha programado onde seria cada foto, o editorial ia ser de dia (todo com luz natural) mas acabou sendo na rua, à noite (eu nunca tinha feito foto externa a noite) e ficou lindo.

6) Como é o dia-a-dia de um fotógrafo da moda?

É ótimo por não ter rotina nenhuma, poder viajar bastante, conhecer gente nova a cada trabalho… Ao mesmo tempo não ter uma rotina às vezes atrapalha, mas tudo bem. Eu amo não ter a rotina, mesmo com toda correria de um lado pro outro e datas de trabalhos que mudam o tempo inteiro.

7) Nos últimos meses morou em Nova York, me conte da sua experiencia lá.

Foi ótimo, fotografei a semana de moda de lá. Fazia as fotos de teste das modelos da Marilyn, que é uma das melhores agências de lá, e aproveitei para estudar mais iluminação.

8) Ocorrem diferenças entre o reconhecimento profissional do fotógrafo no Brasil e no exterior? Qual a maior dificuldade?

No exterior eles reconhecem que cada fotógrafo tem seu estilo e contratam você pelo seu estilo. Aqui normalmente contratam você e falam como querem as fotos (nem sempre o fotógrafo fica livre). A maior dificuldade é começar… conseguir montar um portfólio bom o bastante para confiarem em você.

9) Qual seria a dica de incentivo para quem está começando?

Comece fazendo assistência para algum fotógrafo que tenha um estilo que você goste. Com certeza em um dia de assistência você vai aprender mais do que em qualquer curso. E batalhar muito para chegar onde quer, não ter preguiça em nenhum momento, porque não é fácil!

E aí, gostaram do trabalho do Rodrigo? Pilar, nossa colaboradora de moda feminina fazendo a representante internacional, chique é pouco minha gente! Valeu pela entrevista, Rodrigo, seu trabalho é incrível e vai inspirar muita gente que quer seguir os mesmos passos!

SiteTumblrEmail: bueno@rodrigobueno.com.br
Telefone em NY: 1 347 634 1712 – Telefone no Rio: (21) 7838-7167

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Esra Roise é uma ilustradora da cidade de Oslo, capital e maior cidade da Noruega. Segundo sua própria descrição, ela se inspira em situações pequenas e sem importância do dia-a-dia, fotografias espontâneas, pessoas próximas, moda, música e lembranças constrangedoras.

Os desenhos dela são feitos em geral usando grafite, depois são cuidadosamente trabalhados com aquarela e alguns são finalizados digitalmente, alterando e acrescentando algumas cores. O lindo resultado você vê agora:

Gostou? No site você encontra os últimos trabalhos, os mais antigos e o about completo dela, corre lá!

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Quando faço posts do tipo Passeando pelo Flickr, sempre recebo comentários pedindo pra que tenha mais posts assim, indicando bons fotógrafos e fotógrafas que mesmo não sendo tão conhecidos e marcados pelo nome, têm um ótimo trabalho. Então além dos posts com vários Flickrs, resolvi fazer também posts individuais sobre alguns desses artistas, assim como eu falei sobre os desenhos da Kris Atomic, vocês viram?

Hoje vamos falar de Sophie Rata. Sophie nasceu e mora na Antuérpia, segunda maior cidade da Bélgica e trabalha hoje fazendo editoriais em sua área na fotografia de moda e de pessoas comuns em ensaios pessoais. Segundo o seu perfil, ela gosta de beleza; não daquela beleza de esteriótipo, onde todos precisam ser perfeitos, e sim da beleza explorada por ela e pela própria modelo fotografada. Como numa música, uma combinação de sons, suas fotos são a combinação de elementos visuais, sentimentos e improviso.

Sophie Rata

Sophie Rata

Sophie Rata

Sophie Rata

Sophie Rata

Sophie Rata

Sophie Rata

Sophie Rata

Sophie Rata

Sophie Rata

Sophie Rata

Sophie Rata

No quesito edição, ela gosta de trabalhar com pequenas mudanças de cores, contraste e densidade nas imagens a fim de reproduzir determinadas sensações às fotos sem tirar o aspecto natural delas.

A Sophie também está nas redes sociais, quero ver vocês lendo e conhecendo um pouco mais sobre ela!
FLICKRFACEBOOKDEVIANTARTBLOG


Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+