Tag: fotógrafos - Melhor Ângulo

Os anos 80 andam muito em alta, principalmente na música e no cinema. Quando se trata de estética, o neon (e a mistura de luzes coloridas em geral) é uma das tendências que voltaram com tudo dessa década, aparecendo com frequência em editoriais de moda, clipes de músicas e filmes. Inspirado nesse contexto e pela cidade de Los Angeles onde mora atualmente, o fotógrafo e produtor musical Neil Kryszak criou a Chromatic Series, uma coleção de fotos que destacam cores e luzes, particularmente essa paleta de neon azul e rosa.

Neil Kryszak neon azul e rosa

São cores muito nostálgicas que lembram o mundo dos videogames, mas também carregam referências aos motéis americanos, bairros considerados perigosos, mistério e psicodelia. O melhor é que a coleção de Neil não é um trabalho necessariamente finalizado, só de acompanhá-lo no Instagram a gente vê que ele posta novas fotos com a mesma vibe o tempo todo, dando mais vida ainda o projeto. Olha só:

Neil Kryszak neon azul e rosa

Neil Kryszak neon azul e rosa

Neil Kryszak neon azul e rosa

Neil Kryszak neon azul e rosa

Neil Kryszak neon azul e rosa

Neil Kryszak neon azul e rosa

Neil Kryszak neon azul e rosa

Neil Kryszak neon azul e rosa

Neil Kryszak neon azul e rosa

Neil Kryszak neon azul e rosa

Neil Kryszak neon azul e rosa

Neil Kryszak · Site · Instagram

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Obsessão é um sentimento muitas vezes ligado ao lado mais negativo do comportamento de alguém, mas na fotografia esse estado de preocupação permanente sobre alguma coisa pode se transformar em uma intervenção positiva no trabalho de um fotógrafo. A obra icônica de Roger Mayne deixou evidente os traços da obsessão que tinha e a sua abordagem humanista foi influência para as gerações de fotógrafos que vieram depois dele.

Mayne, falecido em 2014, foi um fotógrafo inglês que ficou muito conhecido pelo seu trabalho que documenta o cotidiano de uma comunidade humilde de um bairro de Londres, particularmente a Southam Street. Entre 1950 e 1960, ainda jovem, ele fotografou repetidamente a mesma rua registrando 1400 fotos em 27 visitas.

A gente se pergunta: o que leva um jovem artista a tanta fixação por um lugar? Dá pra supor que ele tenha se atraído pela diferença social, já que nasceu em uma parte de Cambridge com gente muito diferente da classe operária da Southam Street; ou então a urgência em eternizar o lugar, motivado por algum tipo de pressentimento de que o bairro poderia sumir do mapa por conta da condição precária da região.

A verdade foi que em 1969 a área foi praticamente toda demolida para dar lugar a Trellick Tower, e daí sai mais uma hipótese: quem sabe Roger não teria sido motivado por valores mais altos e pretendesse fazer um statement político parecido com o trabalho do seu mentor Paul Strand? Acho que nunca vamos saber, mas qualquer que fosse o motivo que movia sua obsessão por aquele lugar, ele está eternizado em belos registros monocromáticos.

A galeria The Photographers’s Gallery em Londres está expondo desde março (e fica até junho) o trabalho de Roger Mayne, algo que não acontecia desde 1999, o que deve estar sendo muito bacana pra quem já conhecia o fotógrafo e sentia falta de um destaque maior, o que é muito merecido. Dizem que alguns dias são suficientes para ficar conhecendo o melhor de Londres, por isso ver com calma as fotos do fotógrafo seria com certeza um programa recompensador. A exposição abrange toda a obra de Roger, indo é claro, além das composições da Southam Street, incluindo por exemplo, seus primeiros trabalhos feitos na cidade de Leeds, onde desenvolveu o seu interesse por fotografia e adquiriu um estilo bem mais realista.

São várias séries de fotos de diferentes épocas que pedem para serem vistas, então se alguém aí estiver de bobeira por Londres (me chama!), ainda que seja só por dois ou três dias, vale super a pena incluir essa exposição no roteiro.

Ah, e se essa vibe de fotografia documental chama sua atenção, esse post sobre a fotógrafa Vivian Maier vem a calhar. ;)

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Feminismo: movimento político, filosófico e social que defende a igualdade de direitos entre mulheres e homens. Simples, né? Não sei como muita gente ainda não entende.

O assunto que anda tão em pauta nos últimos meses me deixou com o olhar mais apurado até quando se trata de fotografia. Passei a observar as mulheres com mais atenção, e admiro muito fotógrafos e fotógrafas que se dedicam inteiramente a traduzir as personalidades femininas em seus trabalhos.

O fotógrafo russo Marat Safin é um exemplo. Ele une a força da natureza à delicadeza da mulher (e o contrário!) ou deixa que elas escolham seu ambiente natural, que pode ser um quarto, um canto perto da janela que deixa mais luz entrar em casa ou no alto de uma montanha, onde o silêncio e a solidão permanecem (não que sejam necessariamente coisas ruins nesse caso). O Flickr tem muito mais fotos como essas abaixo, vale seguir ele por lá. ;)

Marat Safin

Marat Safin

Marat Safin

Marat Safin

Marat Safin

Marat Safin

Marat Safin

Marat Safin

Marat Safin

Marat Safin

Marat Safin

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Andres Marti

Me deparei há algumas semanas com uma foto do artista Andres Marti no Flickr, e ela me chamou tanta atenção que eu já soube de cara que ele um dia seria pauta aqui no blog.

O Andres é de Bogotá, capital da Colômbia, e de lá ele trabalha numa espécie de estúdio chamado Comes Cake, especializado em produções de moda bem diferentonas que vão parar em catálogos de produtos, com direito a muitas cores pastel e uma misturinha de minimalismo e colagens que o artista consegue conciliar muito bem. Mas particularmente eu me apaixonei mesmo foi pelos trabalhos pessoais que eu encontrei no Flickr dele: é uma série de fotos onde vários modelos aparecem desligados do mundo, melancólicos e pálidos, mas com os olhos e narizes sempre bem vermelhos. Além disso, sempre rola uma interferência: objetos que cruzam os corpos dos modelos, tecidos, plásticos ou colagens e traços inseridos na pós produção. Quando colocadas juntas, dá pra notar nas fotos o quanto o projeto é único e poderia muito bem estar exposto em alguma galeria do mundo. Olha só:

Andres Marti

Andres Marti

Andres Marti

Andres Marti

Andres Marti

Andres Marti

Andres Marti

Andres Marti

Ah, e pra quem gosta de saber um pouco do lado técnico, o Andres faz tudo isso com uma Canon T2i e a lente do kit! Só um exemplo de que o equipamento nem sempre é o que mais importa, e sim todo o conjunto do artista: das outras habilidades que ele tem à todo o repertório e conjunto de referências que ele construiu ao longo da vida.

Para acompanhar: Flickr. Tumblr. Instagram.

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+