Tag: cenário - Melhor Ângulo

É super empolgante estar na internet e poder olhar as fotos lindas no flickr, no weheartit, tumblr, etc, né? Dá uma vontade louca de pegar a câmera e tentar tirar alguma parecida, tentar fazer uma foto perfeita como as que a gente vê. Mas às vezes você olha pra sua casa e todo o seu ânimo desce pelo cano, você já não aguenta mais usá-la como seu mini-estúdio e as fotos sempre terem o mesmo fundo, afinal, na maioria das vezes só gostamos de um lugar da casa para tirar nossas fotos.

Um bom cenário não precisa ser necessariamente ser perfeito, o céu não precisa estar exatamente sem nenhuma nuvem, e não precisa haver grama verdíssima e brilhante. Você só precisa de criatividade! E guarde bem essa palavra, quem gosta de fotografar esbarra com ela em todo lugar! Bem, toda cidade, por mais simples que seja tem algum lugar bonito e arrumadinho que você pode aproveitar: um sítio, casas históricas dessas que todos visitam, até mesmo um campo de futebol limpinho. O remédio pra ter idéias, como eu disse, é ver outras fotos, a vontade vem e as lâmpadas começam a piscar em cima da sua cabeça!

Se você mora em uma cidade grande melhor ainda, são muitas opções, seu pai ou sua mãe vão ter que te ajudar pra te carregar por aí de carro, você só vai ter o trabalho de convencê-los a isso, mas você já sabe as táticas pra conseguir as coisas com seus pais, né?

A campanha é o seguinte: conheça sua cidade! Ande por aí, vá a lugares que nunca foi, explore mesmo todo o cantinho da sua metrópole ou da sua roça! Duvido que nenhum lugar vai te chamar a atenção.

Contudo, pare uma hora e esqueça tudo que eu falei. Preocupe-se sim com o cenário, ele vai dar charme à foto, mas não esqueça do(a) modelo, de você se for o caso. Se arrume, fique bonito(a), aí ninguém vai lembrar de reparar no cenário improvisado no meio do campo de futebol, vai olhar pra quem está de fato jogando!

Falei tanto de se inspirar, então por que não começar agora?

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

É curioso notar como a maior parte do trabalho cinematográfico está concentrada nos bastidores, não? Obviamente a grandeza dos filmes vai muito além dos estúdios e da frente das câmeras. Eu particularmente sou apaixonado pelo trabalho dos diretores de arte (e aqui já vale mencionar os figurinistas, maquiadores e designers que trabalham em função desse profissional), aquele pessoal encarregado de criar os cenários, roupas, maquiagens e produtos originais capazes de trazer uma grandeza ainda maior para o filme, principalmente através dos detalhes.

No caso dos diretores de arte e dos designers de produção, há a missão de garantir que cada vaso de flor, cada peça de roupa e cada par de cílios postiços estejam, além de esteticamente agradáveis, dentro de suas funções plásticas; sejam essas de representar um período histórico ou a vida extraterrestre, por exemplo.

As evidências mais marcantes de que os filmes históricos não se passam no mundo contemporâneo está na direção de arte. Nesses casos cabe ao designer de produção não deixar que o filme erre de época, caso contrário o Duque de York usará apenas uma cueca de couro e uma capa esvoaçante (ok, exagerei).

A influência do trabalho desse profissional dentro do cinema pode estar também na hora de criar um mundo totalmente novo, com sua própria flora, fauna e modo de vestir, descrevendo ambientes únicos e maravilhosos. Um caso bastante importante é o do filme Avatar. Sem a excelência desse trabalho o filme se reduziria grandiosamente caso Pandora fosse um planeta sem graça e totalmente comum – ou pior, nada crível. Ou ainda serve para trazer uma ideia fantasiosa para o filme, como em Alice No País das Maravilhas, O Discurso do Rei, Desventuras em Série ou Sweeney Todd. Nesse último é bem evidente que ninguém se vestiria como os personagens do filme, independente da época, e está aí e em outros detalhes, como o sangue intencionalmente falso, a “ideia fantasiosa”.

Ainda vemos a atuação do diretor de arte na hora de fazer com o que o roteiro seja um pouquinho menos óbvio. Em Cisne Negro, por exemplo, a decoração infantil do quarto de Nina, a madeira desgastada no chão da casa e o excesso de espelhos que refletem a dupla personalidade da protagonista dizem muito sobre a personagem e sobre a história.

Não nego, já vi muitos filmes só pela direção de arte. Em conjunto com uma fotografia marcante um filme pode ser tornar extremamente atraente independente do seu roteiro falho ou de sua direção fajuta. Sem a excelência deles os filmes poderiam não ser a fuga da realidade que as vezes buscamos. Então se você não valoriza muitos esses detalhes, preste um pouquinho mais de atenção neles, você pode se surpreender com a grandeza do trabalho desse profissional.

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+