Tag: câmera analógica - Melhor Ângulo

Eu estava reparando… Até hoje foram só 2 posts do tipo “Flickr do dia” aqui no blog! Como assim? Acho que eu tinha uma outra impressão porque no início do blog sempre rolava aquele “Passeando pelo Flickr“, com vários fotógrafos no mesmo post, lembram? De qual formato vocês gostam mais? :)

Aproveitei e resolvi voltar à ativa – depois de uma semana focado no design e a outra do feriado de Carnaval – mostrando o trabalho de Katrina Shafer, uma fotógrafa amadora que registra principalmente a rotina e suas viagens; quase não gosto de fotos desse tipo, né? Hahaha

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Tudo começou com uma ponta de inveja da Gabi (@ohnaogabi), que tinha acabado de postar uma foto no Facebook da sua lomokino novíssima em folha. Depois de deixar meu comentário, me vi com vontade e saudades de passar o resto do dia lendo sobre fotografia analógica em blogs, no site da Lomography, e favoritando fotos do tipo no Flickr. Bem, passei pelo menos 3 dias assim, até que vi uma brecha na planilha de planejamento dos meus dinheiros e a partir daí foi tudo muito rápido: escolhi o modelo, vasculhei pela internet, avaliei a loja/vendedor e pronto, minha Zenit 122 estava comprada numa noite de domingo, chegando uma semana depois, segunda-feira.

A Zenit 122 (veja fotos) é uma câmera produzida principalmente na Rússia e na Bielorrússia, assim como os outros modelos da marca. Sua produção começou nos anos 90 (a minha é de 93, mesmo ano que eu nasci!) e foi até 2003; hoje ela não é mais fabricada, o que me levou a comprar uma usada, no Mercado Livre mesmo, depois de muita pesquisa e cuidado, claro. O kit dela vinha com uma lente ou Helios 44M-2 58mm f/2.4 ou um MC Zenitar 50mm f/2, na minha veio a 58mm. Colocar o filme, depois rebobinar e tirar não foram tarefas difíceis, o sistema dela é bem parecido com a maioria das analógicas, fiz tudo sozinho mesmo, com medo de perder o filme, mas deu tudo certo!

Câmeras analógicas usadas e desse mesmo porte, SLRs, geralmente custam de 100 a 300 reais nesses sites de venda e revenda. A minha foi 150, com frete e taxas saiu a 182. Achei um bom preço, visto que ela só veio com um probleminha (que já pretendo resolver).

No mais é isso! Separei algumas fotos feitas com ela dos meus contatos no Flickr, olha só:

Sexta-feira tem post mostrando as fotos que saíram do primeiro rolo que usei na câmera! Todos aqui, façam o favor.

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Olle Ericksson (foto abaixo) é um fotógrafo focado no cotidiano nascido em Arvika e que hoje mora em Estocolmo, ambas cidades suecas. Gosta do céu cheio de estrelas, chá de baunilha e rooibos, sua cama, a cor verde, bananas, cafés da manhã, Berlin, leite sueco, trens, grandes suéteres, longas caminhadas e chocolate. Curte também o trabalho de Sufjan Stevens, Douglas Coupland, Chan-Wook Park e Woody Allen.

As fotos são feitas em maioria com suas várias câmeras analógicas e também com sua Nikon D90 digital. Os temas não são muito surpreendentes, é bem dia-a-dia mesmo: amigos, flores, retratos, passeios e shows. Se você gosta de fotografia analógica dessas bem reblogáveis no Tumblr, toma aí um prato cheio:

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Em termos fotográficos, exposição é o momento em que a luz entra na lente para formar a foto, é quando o mecanismo da câmera fica literalmente exposto à luz exterior: quanto maior o tempo de exposição, mais clara ficará a foto depois de pronta (mais óbvio impossível) e o contrário acontece quando o tempo for menor.

Nas câmeras analógicas existe um recurso que permite fotografar duas vezes em cima de um único fotograma: o mecanismo libera o obturador sem que o filme avance, deixando você fotografar mais uma vez no mesmo local em que uma primeira imagem foi feita, criado essa mistura incrível de luzes e formas!

Mas não é exatamente toda câmera de filme que te dá essa possibilidade: as automáticas vêm com anti-dupla exposição, passando o filme logo depois que você bate uma foto. Mas afinal, qual é a câmera certa pra fazer o efeito? As digitais não fazem? E tem como criar tudo no Photoshop mesmo? Essas perguntas serão respondidas num próximo capítulo, nesse mesmo horário, nesse mesmo blog. Agora que tal alguns bons exemplos?

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+