Tag: café - Melhor Ângulo

Eu já contei aqui que sonho em abrir um café um dia. É um tema que nunca me cansa e que sempre gera conteúdo bacana quando estou pesquisando por projetos de identidade visual e interiores, por isso me propus a compartilhar alguns dos meus achados aqui no blog, na tag Cafés Pelo Mundo. Vocês podem ver aqui, aqui e aqui outros posts que já entraram no assunto. :)

O café de hoje é o Stories, que fica em Oakwood (Reino Unido) e serve café artesanal, sucos prensados a frio e um menu baseado na cultura local. O conceito por trás do lugar é de que todos tem uma história para contar, e a deles é sobre a relação muito próxima que têm com seus fornecedores, selecionados a dedo. O briefing do projeto foi focado justamente nesse comprometimento com a origem dos produtos do café e também numa inspiração escandinava, presente na decoração e na apresentação dos pratos. Para transformar a teoria em prática, o estúdio independente Passport (Leeds, Reino Unido) foi o responsável pela criação da identidade, papelaria e auxílio nas embalagens.

Basicamente, a ideia de que “tudo tem uma história por trás” foi o ponto de partida e permeou toda a criação. A base dos impressos, por exemplo, foi definida depois de uma pesquisa sobre papeis produzidos de formas não convencionais. Os escolhidos são feitos de subprodutos (restos) de cítricos, uvas, couro e da massa de grãos que sobra na produção de cerveja. A consequência natural do uso desses materiais é uma paleta de cores de tons frios e pastel. Muito interessante esse caminho que eles escolheram seguir, né?

Os cardápios tem tamanhos diferentes para cafés, comidas e sucos, e são presos em placas de madeira com um elástico, o que facilita a atualização.

Mini panfletos que contam como funcionam os processos no café.

O logo, simples e contemporâneo, utiliza os pontos para representar as pessoas por trás de tudo: os funcionários, clientes e fornecedores que criam as histórias. Ligando esses pontos é possível contar ainda mais histórias, sobre a viagem dos ingredientes da fonte original para o café, por exemplo.

As garrafinhas dos sucos são impressas somente com tinta branca e possuem apenas dois elementos: o logotipo e a lista de ingredientes, para deixar claro aos clientes que nenhuma substância extra e duvidosa foi adicionada.

Acho lindo quando uma marca tem uma construção simples, mas vai direto ao ponto e comunica seus significados. Bra-vo!

Stories Cafe
Roundhay Road, 454, LS8 2HU · Leeds · Reino Unido
Site · Instagram

Passport
Site · Behance · Instagram · Facebook

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Dando continuidade à série de posts sobre cafés, dessa vez ele é fictício. É que a equipe do estúdio de design Saturday Studio criou como forma de exercício a marca Talihina, especializada em cold brew coffee, um tipo de preparação hype do momento onde o café é passado com água fria, por mais tempo, e assim adquire um sabor diferente, mais suave e adocicado até. A intenção do projeto foi praticar um pouco de naming, branding, impressão e design de embalagens, tudo isso livre do briefing limitador que muitos clientes trazem.

A identidade foi inspirada na filosofia de quem produz em baixa escala, no cuidado que os produtos não industrializados recebem em toda a simplicidade que um pequeno lote de café receberia. As impressões no vidro foram feitas uma a uma e o resultado é que nenhuma garrafa ficou exatamente igual às outras.

E assim as garrafas ganharam o logotipo da Talihina!

Tirar um tempo para trabalhar em projetos pessoais e paralelos assim é sempre uma ideia válida, afinal sair do automático e criar algo por prazer acelera o metabolismo de qualquer designer que está acostumado com a rotina de agência, certo? Desse projeto simples e lindo, essa foi a liçãozinha do dia. ;)

Saturday Studio · Site · Instagram · Pinterest · Dribbble

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Quando eu postei essa receita de frappuccino aqui no blog, contei que só há pouco tempo comecei a gostar mais de café. Acho que o problema é que antes eu só conhecia o preto expresso ou passado na hora, não sabia a fundo sobre as mil variações e misturas que podem ser feitas. O legal é que esse novo paladar se juntou à minha fascinação pelos ambientes propriamente ditos dos cafés gringos (aqui tem até um post de inspiração) e nessa ~onda~ hoje o post é dedicado a identidades visuais tanto do grão quanto dos estabelecimentos. Fiz uma seleção com 8 projetos retirados lá do Behance, todos entre os meus favoritos. Já peço desculpas por não colocar todas as imagens dos projetos, é pra não ficar gigantesco. Mas é só clicar no link de cada um e ir lá ver tudo na íntegra! Ó só:

Fernwood Coffee

O que mais me conquistou nesse projeto de identidade visual foram as cores que têm uma pegada náutica, mantendo-se sempre no branco, vermelho e azul marinho. A razão para o estúdio Glasfurd & Walker ter tomado essa direção provavelmente se deu porque a base desse café fica em Victoria, no Canadá, uma cidade portuária de navios-cruzeiro. A solução não só trouxe identificação com a cidade e o comércio local como combinou muito bem com a proposta intimista e até um pouco retrô que cafés geralmente têm.

Fernwood Coffee

J. Hornig

A J. Hornig é uma marca tanto de café em grão como também tem seus espaços espalhados pela Áustria. Esse projeto desenvolvido pela Moodley envolveu toda a identidade visual, que se estende até mesmo aos triciclos ambulantes que levam café até as pessoas! As principais cores escolhidas são o marrom, vermelho e branco, combinação que me apaixona só de olhar! Outras cores de apoio são o azul e o verde musgo. Vale a pena ver todas as imagens do projeto, porque são muito lindas e bem clicadas. ;)

J. Hornig

Miscela di Caffè in Grani

Esse segue uma tendência mais moderninha e minimalista que tenho visto bastante no Behance. Reúne a presença de uma fonte bem redondinha em caixa alta, cores claras e até fluorecentes, e ilustrações que aparecem geralmente em forma de padronagem. Lindo!

Miscela di Caffè in Grani

JOCO

A JOCO não produz nem é um café, e sim uma empresa que fabrica copos próprios para a bebida. A ideia aqui é proteger o meio ambiente de hábitos ruins como o do copo descartável (de plástico ou isopor) e continuar bebendo o café diário com estilo, num produto feito com materiais pensados sustentavelmente. Bacana, né?

JOCO

General Cafe

O General Cafe fica em Gettysburg, na Pensilvânia, e também tem a preocupação de ter produtos pensados de forma ecológica. A identidade visual é simples, mas cumpre seu papel de forma muito dinâmica. Destaque para os vários ícones criados para a marca e essa colherzinha de mexer o café que é até bastante comum lá fora, mas que deveria aparecer com mais frequência nos estabelecimentos brasileiros. Uma oportunidade de aplicação muito bonitinha para marcar a presença de um logotipo!

General Cafe

The Reformatory Caffeine Lab

Essa não é uma coffee shop como as outras. Simon Jaramillo é um cara que cresceu numa família que cultiva café há 110 anos e por isso virou um alucinado pela arte de colher, secar, moer e usar o grão nas bebidas. O The Reformatory Caffeine Lab tem a proposta de trazer uma experiência totalmente nova para os visitantes, algo muito ligado a todo esse processo de produção, à “química” do café. O mais legal é que o lugar tem também uma ligação com os quadrinhos, com inúmeras ilustrações nas paredes, várias delas em homenagem ao Coringa, personagem da DC Comics.

The Reformatory Caffeine Lab

Joe’s Coffee

Nos Estados Unidos é muito comum a expressão “a cup of joe” quando alguém pede por uma xícara de café, e essa foi a frase que inspirou a criação do Joe’s Coffee. A identidade visual do lugar é baseada na silhueta do rosto de um homem, mais precisamente o próprio Joe que deu origem à expressão. É uma história meio longa que não vale a pena ser contada aqui, mas digamos que esse Joe viveu há muito tempo e era bem importante, hahaha. Toda a papelaria do café também tem um ar bem retrô, que condiz com o tempo da história que deu origem à tudo isso. :)

Joe's Coffee

Dorigenn

E pra finalizar, taí um projeto que achei bem brasileiro, e não tive essa impressão necessariamente por causa das cores, mas sim pelas ilustrações bem tropicais. Só depois fui descobrir que a marca é colombiana, daqui do lado! Toda essa estética está aí para representar diferentes regiões nos arredores da Colômbia (inclusive Amazônia) e o que elas podem trazer de sabores e aromas para o café. Muito legal, né?

Dorigenn

É isso, espero que tenham gostado desse post mais focado em design. Prometo trazer mais conteúdo bacana pra essa categoria! Comenta aqui embaixo o que achou! ;)

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Frappuccino de chocolate

Em 2014 meu gosto por café mudou. Se antes eu não era muito fã, depois de conhecer melhor as muitas variações e misturas que podem ser feitas eu passei a me interessar muito pelo assunto, a ponto de tentar eu mesmo fazer os meus próprios cafés. Usando a Starbucks como referência (já que a é a cafeteria mais conhecida), testei pelo menos três receitas encontradas na internet do frappuccino de chocolate servido lá, e acho que cheguei numa versão bacana pra compartilhar com vocês.

Ingredientes

Ingredientes frappuccino de chocolate

  • 250 ml de leite
  • 150 ml de café forte sem açúcar (aqui eu usei 3 colheres (chá) de café solúvel na água)
  • 2 colheres (sopa) de açúcar
  • 1 colher (chá) de chocolate em pó
  • 1 colher (chá) de essência de baunilha
  • 2 colheres (sopa) cheias de calda de chocolate
  • 10 cubos de gelo
  • 3 colheres (sopa) cheias de sorvete de creme ou baunilha
  • chantilly à gosto

Modo de preparo

1. Coloque todos os ingredientes menos o sorvete e o chantilly no liquidificador. Bata por cerca de 40 segundos ou até não ouvir mais nenhum “estalo” dos cubos de gelo se quebrando.

2. Adicione as 3 colheres (generosas, por favor) de sorvete e bata mais uma vez, mas dessa vez bem rapidinho, pra não dissolver todo o sorvete. A ideia aqui é que ele ajude o gelo a deixar o café mais consistente e menos líquido. Se você tiver um mixer, essa é a hora de usá-lo, porque ele não deixa o sorvete perder tanto da textura.

3. Agora é só colocar em um copo bem bonito, decorar com chantilly, calda e beber com um canudo. :)

Nas receitas que eu encontrei pela internet uma das dicas que sempre aparece é a de congelar o café (puro) numa forminha de gelo, assim você não precisa usar os cubos normais. Isso porque quanto menos água na receita melhor, pra deixar o frappuccino mais cremoso. Essa questão da água é inclusive a razão do uso do sorvete: originalmente eu teria que usar o dobro de gelo, mas pra evitar aqueles cristais chatos, eu fiz a substituição. Caso você não tenha sorvete em casa, pode fazer isso, usar mais gelo. Se quiser substituir também o chocolate em pó pelo achocolatado, é só diminuir o açúcar da receita. E a essência de baunilha é opcional, mas não é indiferente.

Eu fiz um vídeo do momento onde eu coloco o café no copo e cubro com chantilly e calda, e a ideia era fazer alguns gifs pra colocar no post. Mas meu computador não colaborou e ficou travando o tempo todo. Outra hora eu tento de novo e faço o update. Agora olha só como ficou:

Frappuccino de chocolate

Frappuccino de chocolate

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+