Melhor Ângulo - Fotografia, decoração, design e tudo o que me inspira!

Quando completei 15 anos, em 2009, eu tive a sorte de ser presenteado com a coleção de livros Desventuras em Série, do Lemony Snicket. Curioso que dois dias após o meu aniversário eu precisei ficar de cama por uma semana depois de uma operação às pressas. Para não ser dominado pelo tédio resolvi ler todos os livros da série e no fim dessa mesma semana descobri que eu havia encontrado uma das histórias mais divertidas e interessantes das que hoje fazem parte da minha coleção.

A coletânea infantil – sim, é para crianças mas foi muito bem recebida pelos jovens e adultos – conta a história dos três jovens Baudelaire, Violet, Klaus e Sunny, que entram em uma aventura pra descobrir o mistério por trás da morte de seus pais enquanto fogem de Olaf, um conde nada corpulento que corre atrás da herança das crianças, e em cada livro acabam indo para uma família e cidade diferentes.

Vale a leitura pela condução rápida que o Lemony dá à história e que nunca deixa a trama se perder. E ele ainda abre portas pra conversar com o leitor – minha qualidade preferida nos seus livros; de vez em quando até explica a diferença entre o sentido figurado e literal das coisas. Mas o mais interessante é o modo excêntrico como ele trata as suas histórias: pro Snicket Desventuras em Séries é uma história triste e muito desagradável, e ele mesmo faz questão de anunciar isso em quase todos os livros da coleção; isso fica claro logo na primeira frase do primeiro livro, “Se vocês se interessam por histórias com finais felizes, é melhor ler algum outro livro”.

E a história também chamou a atenção de Hollywood! Vocês devem saber disso, já que é tradição anual o filme ser exibido na Sessão da Tarde da Globo. Em 2005 a coletânea foi para as telas em uma adorável adaptação protagonizada por Jim Carrey, Emily Browning e Liam Aiken – e conta até com uma pontinha da Meryl Streep. O filme é divertidíssimo e nele Jim Carrey está mais engraçado que em qualquer uma de suas comédias – e esse é o maior problema do filme já que nunca sentimos que as crianças realmente estão em perigo. Mas fica tudo bem quando o diretor, mesmo descaradamente, faz um excelente trabalho na hora de passar a excentricidade do Snicket e de criar um mundo fantasioso incrível e nada discreto apesar de sombrio.

A história completa é contada em 13 livros – o filme conta só a dos três primeiros – , mas não se assustem pois são muito pequenos. O maior deles tem 285 páginas, mas a relação entre os irmãos e a trama principal são tão interessantes que você consegue ler um dos livros em um dia sem se sentir cansado.

Se você  leu algum dos livros ou já assistiu ao filme, diga pra gente o que achou! Pra saber mais sobre a história dos três jovens vocês podem entrar no site da coleção ou no site oficial do filme.

Obs.¹: O nome original da serie e do filme é A Series Of Unfortunate Events.
Obs.²: O filme concorreu a quatro Oscars:  melhor maquiagem (ganhou esse), melhor figurino, melhor direção de arte (meu atributo preferido do filme) e melhor trilha sonora.

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Não estamos mais na primavera há mais de um mês e isso todo mundo sabe, mas as flores – celebridades da estação – não deixam de ser inspiradoras em qualquer época. Essa semana fiz um post dando largada na terceira edição do mini concurso “Sua foto no blog” que acontece de 2 em 2 meses no Depois dos Quinze, onde também escrevo.

O tema do bimestre foi flores, essas belezinhas super fotogênicas e que são fáceis de achar, não importa se sua cidade é incrivelmente linda ou não. Trouxe uma série de fotos de vários fotógrafos para inspiração e estou aproveitando pra mostrar pra vocês também! Na hora de fotografar com flores, é legal tentar ângulos e posições diferentes, que valorizem a dança de cores e formas dessas pequenas.

Depois dos Quinze

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Janeiro é um mês chato e muita gente concorda comigo: as festas de fim de ano acabam e o que resta é tédio e calor. Mas tenho um motivo pra gostar um pouco mais dele: no penúltimo dia é meu aniversário, acho que hoje né? Pois é, mais um 30 de janeiro na minha vida, hoje é o 19º, acreditam? Tô ficando muito velho meu Jesus, estou começando a dizer pras crianças: “Te peguei no colo” #crise. Já falei pra tudo e todos que vou continuar alegando recente maioridade, acho que dá pra enganar levando em conta as milhares de pessoas que vivem dizendo que tenho cara de 16.

2o11, o ano dos meus 18 anos como eu já disse no primeiro post de 2012, foi um ano com muita coisa no lado bom e muita coisa no lado ruim de tudo, o que eu espero mesmo dos meus 19 é realização material (leia-se carteira gorda), sucesso para o blog, mais organização e um pouco mais de paz no dia-a-dia, venho precisando bastante.

Recebi quilos de mensagens de parabéns no Facebook e Twitter, vocês são uns lindu mesmo! Tchau pra você 18, quero agora ver o que o 19 tem pra me mostrar! E obrigado por tudo, viu? Quero vocês aqui comigo ano que vem!

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

É como um desafio escolher um bom filme, mas é gratificante quando pegamos aquele que é ao mesmo tempo divertido, adorável e, principalmente, honesto. Foi assim que eu me senti quando, entre várias opções, escolhi (500) Dias Com Ela no inicio de 2011: grato pela lição e pelos bons momentos.

No filme de estréia do diretor Marc Webb, Tom (Joseph Gordon-Levitt) é um romântico miserável que tenta descobrir o que deu errado em seu relacionamento com Summer (Zooey Deschanel). A partir de suas conclusões ele redescobre as suas verdadeiras paixões e cria novas concepções para a sua vida. E parte daí o ponto alto do filme que abre espaço para nos identificarmos com a história: muita gente já deve ter passado por aquele momento infortúnio após um relacionamento acabado onde ficam horas relembrando os momentos compartilhados para buscar respostas. De qualquer forma, nunca foi o meu caso, mas tive várias outras oportunidades pra encontrar um espaço pra mim no filme.

Por trás de um roteiro bastante simples há muitos outros aspectos atraentes nessa história. O maior deles é a falta de uma ordem cronológica definida, que é uma boa escolha por não nos deixar decepcionar com os acontecimentos posteriores, como se já esperássemos aquilo, e por apresentar os acontecimentos como um contraste imperfeito de lembranças boas e ruins. Mas o mais importante é o carisma de Joseph Gordon-Levitt e o triste olhar vago que vai surgindo em Zooey Deschanel conforme sua personagem se descontenta com o relacionamento.

Realçado pela trilha sonora bem adequada e emocionante (e as musicas são realmente boas), (500) Dias Com Ela é também uma confusão de estilos, as vezes usando técnicas de documentários, até implantando uma cena musical vergonhosa em outro momento – que somadas a algumas piadas infelizes afetam um pouco o filme. Mas é tudo em prol do sentimentalismo, da definição do amor e do argumento do filme: o amor realmente existe? Somos mesmo destinados a uma pessoa aleatória no mundo? Enfim, opiniões pessoais a parte, são esses pensamentos que encorajam a reflexão e que nos fazem encontrar no filme uma sincera opinião sobre a sensibilidade romântica moderna.

No mais, (500) Dias Com Ela é uma das melhores comédias românticas – e a minha preferida – dos últimos anos. Se você ainda não a assistiu, eu recomendo, e se já assistiu comenta aí o que achou!

Opinião do Zé

Não entendo nada de cinema como o Nivaldo, meus amigos da faculdade e etc, mas é impossível não recomendar o filme pra Deus e o mundo: é de te deixar prestando atenção do início ao fim, a cronologia, o “Expectations – Reality”, o final irônico do Tom, a trilha sonora, e apesar de #tensa não tem como não rir do número musical no meio do filme, concordam comigo?

Vocês podem encontrar mais informações sobre o filme no site oficial e na página do filme no IMDB.

Obs.¹: O filme foi lançado em 2009.
Obs.²: Recomendo o Joseph Gordon-Levitt como cantor; ele tem poucas musicas gravadas oficialmente, mas no YouTube dá pra encontrar várias – ele tem um ótimo gosto musical.

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+