Melhor Ângulo - Fotografia, decoração, design e tudo o que me inspira!

Se na moda existe o pretinho básico, na fotografia ele equivale ao nosso querido preto e branco, conhecido também pela sigla p&b ou mesmo b&w (de black and white). Mas existe um certo tabu de que o preto e branco é cafona e que já era pra ter ficado no passado já que a fotografia em cores surgiu. Se você já viu declaração mas sem pé nem cabeça do que essa você está de parabéns.

Num tempo onde as fotos eram coloridas, muitos apelavam para a pintura artística ou das próprias fotografias. O curioso é que mesmo depois do surgimento das cores nesse ramo o preto e branco ficou, e ficou pra não sair mais. Há quem diga que ele só é ideal na hora de retratar o retrô, o vintage, o antigo. Mas pelo contrário, a falta das cores está nos editoriais de moda (muitos feitos inteiramente monocromáticos), nas propragandas, nos filmes, nos clipes e em muitos outros meios. Além do antigo, ele pode representar seriedade, tristeza, ou mesmo o sexy e o poder.

É claro que nem todo preto e branco é igual. São duas cores, mas entre elas existe uma quantidade infinita de tons de cinza e são eles que vão fazer a diferença na sua foto. Pra conseguir um efeito de preto e branco mais antigo, o ideal é não deixar sua foto muito escura; os pontos mais pretos devem ficar num cinza escuro, mas não preto. Em contra partida, as partes mais brancas devem ficar num cinza claro, mas não branco. Pra um preto e branco mais “atual”, invista no contraste: partes escuras bem escuras e partes claras bem claras, mas nada de exagero pra não estragar tudo. Dá uma olhada nos exemplos:

E aqui vai uma super dica pros usuários do Photoshop: a partir da versão CS3, o programa disponibiliza a função Black & White (para encontrá-la vá em Imagem > Ajustes > Black & White). A ferramenta te dá a opção de deixar cada cor da foto num tom mais escuro ou mais claro de cinza. Por exemplo: se você quer uma pele mais escura, deve escurecer um pouco os Amarelos (Yellows) e os Vermelhos (Reds). É só ir brincando que você vai achar um efeito bem legal.

No fim das contas deu pra perceber que não há nada de cafona em ter uma foto preto e branca aqui ou outra ali. Só não é legal deixar a foto sem edição nenhuma, apenas colocá-la no p&b; a aparência vai ficar quase sempre bem morta. E é claro, não use a mesma coisa em todas as fotos porque fica cansativo (a não ser que o objetivo seja um álbum ou um projeto todo monocromático). Na dúvida de qual roupa sair você vai de pretinho básico. Na dúvida depois de testar todos os efeitos possíveis naquela foto, você vai de preto e branco! Não tem erro.


Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Quando faço posts do tipo Passeando pelo Flickr, sempre recebo comentários pedindo pra que tenha mais posts assim, indicando bons fotógrafos e fotógrafas que mesmo não sendo tão conhecidos e marcados pelo nome, têm um ótimo trabalho. Então além dos posts com vários Flickrs, resolvi fazer também posts individuais sobre alguns desses artistas, assim como eu falei sobre os desenhos da Kris Atomic, vocês viram?

Hoje vamos falar de Sophie Rata. Sophie nasceu e mora na Antuérpia, segunda maior cidade da Bélgica e trabalha hoje fazendo editoriais em sua área na fotografia de moda e de pessoas comuns em ensaios pessoais. Segundo o seu perfil, ela gosta de beleza; não daquela beleza de esteriótipo, onde todos precisam ser perfeitos, e sim da beleza explorada por ela e pela própria modelo fotografada. Como numa música, uma combinação de sons, suas fotos são a combinação de elementos visuais, sentimentos e improviso.

Sophie Rata

Sophie Rata

Sophie Rata

Sophie Rata

Sophie Rata

Sophie Rata

Sophie Rata

Sophie Rata

Sophie Rata

Sophie Rata

Sophie Rata

Sophie Rata

No quesito edição, ela gosta de trabalhar com pequenas mudanças de cores, contraste e densidade nas imagens a fim de reproduzir determinadas sensações às fotos sem tirar o aspecto natural delas.

A Sophie também está nas redes sociais, quero ver vocês lendo e conhecendo um pouco mais sobre ela!
FLICKRFACEBOOKDEVIANTARTBLOG


Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Um dos campos que mais me interessa na fotografia é a editorial/de moda, acho incrível brincar com conceitos e temáticas e traduzi-los em fotos que envolvam beleza e estilo. O pior é que todos os dias modelos e celebridades posam para fotógrafos incríveis da área, mas nem sempre ouvimos muito burburinho sobre esses ensaios, apesar de muitos serem maravilhosos e merecerem total destaque da mídia. De vez em quando vou tentar trazer essas fotos pra vocês verem por aqui, começando hoje, com a última sessão de Kristen Stewart para a revista americana W Magazine.

Kristen Stewart W Magazine 2011

Kristen Stewart W Magazine 2011

Kristen Stewart W Magazine 2011

Kristen Stewart W Magazine 2011

Kristen Stewart W Magazine 2011

As fotos feitas pela dupla Mert Alas e Marcus Piggott, que tentaram em um cenário inspirado nos anos 60 mostrar o lado “mulher fatal” de Kristen, muitas vezes chamada de sem sal e desleixada por aí. Em Amanhecer, novo filme da franquia “Crepúsculo”, Bella já é vampira e esse foi um dos principais pontos da entrevista que ela deu à edição.

Kristen Stewart W Magazine 2011

Veja outros ensaios na tag #recheioderevista e me conta aqui embaixo o que achou das fotos! ;)

Kristen Stewart · IMDb
Mert Alas & Marcus Piggott · Instagram Mert · Instagram Marcus · Facebook · Tumblr

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

O post hoje é pra acabar com um mito que começou com as propagandas impressas, de TV e rádio, quando as câmeras digitais foram lançadas: os megapixels.

Quando compramos um celular, geralmente olhamos se ele é bonito, se chama a atenção ou se atende ao que você pretende fazer com ele, raramente olhamos qual a resolução da pequena câmera que já vem acoplada. Mas na hora de comprar uma câmera de verdade, aposto que a maioria que está lendo colocou os megapixels no podium dos requisitos, eu mesmo já pensei assim e por muito tempo.

Passa dia passa mês, lendo vários sites de fotografia, aprendi há cerca de dois anos que uma câmera com 1 milhão de megapixels não faz pior a sua com 6. Os megapixels definem as dimensões da sua foto em altura e largura, ou seja, quanto mais megapixels forem usados para tirar a foto, maiores serão suas dimensões e consequentemente, maior o espaço que ela vai ocupar no cartão de memória e no seu computador. Coisas que de fato fazem sua câmera ser considerada melhor que as outras são: lente, as configurações manuais que ela oferece e a tradição da marca.

Quando colocamos o máximo de megapixels pra tirar nossas fotos, é como se estivessemos dizendo pra câmera: “Deixa essa foto bem grandona porque depois eu quero revelar em tamanho gigante pra colar na minha parede, ok câmera?”. Se você não vai fazer isso nem vai editar sua foto detalhadamente no Photoshop não há necessidade de utilizar o máximo de megapixels da sua câmera. Mas também não exagere: nunca use 1, 2, até 3 megapixels apenas. Depois se você quiser cortar só um pedacinho da foto ou quiser ver os detalhes no zoom, não vai ter como, o tamanho pequeno não vai ajudar. Eu recomendo trabalhar com de 4 a 8 megapixels, você não pesa tanto o seu computador e ainda sim consegue manusear muito bem as fotos.

Se ver alguém por aí querendo comprar uma câmera pensando só na quantidade de megapixels, passe essa dica adiante, quanto mais pessoas sabendo sobre isso melhor!

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+