Melhor Ângulo - Fotografia, decoração, design e tudo o que me inspira!

Hoje, dia 26 de junho de 2017, é o aniversário de 20 anos do lançamento do livro Harry Potter e a Pedra Filosofal, primeiro da saga homônima de J. K. Rowling. Eu infelizmente não cresci lendo os livros e assistindo os filmes todo ano como a maioria dos meus amigos, só fui conhecer o mundo mágico bem mais tarde, na adolescência, mas mesmo assim me tornei um apaixonado por tudo que envolve o assunto.

Inspirado nesse dia, nada mais justo que compartilhar com você aí um projeto de design com uma temática bem bruxa, né? Vira e mexe a série de livros recebe uma nova edição com capas inéditas, a gente sabe disso e haja bolso pra ter todas. Daí que a designer Raxenne Maniquiz, fã de carteirinha, criou suas próprias capas fictícias, em comemoração ao aniversário de 34 anos de Harry em 2014. A referência que ela utilizou foi o trabalho de Jan Tschichold numa coleção para a Penguin Scores, lá em 1949.

Harry Potter e a Pedra Filosofal

Capa minimalista Harry Potter e a Pedra Filosofal de Raxenne Maniquiz

Capa minimalista Harry Potter e a Pedra Filosofal de Raxenne Maniquiz

Harry Potter e a Câmara Secreta

Capa minimalista Harry Potter e a Câmara Secreta de Raxenne Maniquiz

Capa minimalista Harry Potter e a Câmara Secreta de Raxenne Maniquiz

Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban

Capa minimalista Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban de Raxenne Maniquiz

Capa minimalista Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban de Raxenne Maniquiz

Harry Potter e o Cálice de Fogo

Capa minimalista Harry Potter e o Cálice de Fogo de Raxenne Maniquiz

Capa minimalista Harry Potter e o Cálice de Fogo de Raxenne Maniquiz

Harry Potter e a Ordem da Fênix

Capa minimalista Harry Potter e a Ordem da Fênix de Raxenne Maniquiz

Capa minimalista Harry Potter e a Ordem da Fênix de Raxenne Maniquiz

Harry Potter e o Enigma do Príncipe

Capa minimalista Harry Potter e o Enigma do Príncipe de Raxenne Maniquiz

Capa minimalista Harry Potter e o Enigma do Príncipe de Raxenne Maniquiz

Harry Potter e as Relíquias da Morte

Capa minimalista Harry Potter e as Relíquias da Morte de Raxenne Maniquiz

Capa minimalista Harry Potter e as Relíquias da Morte de Raxenne Maniquiz

São capas mais minimalistas, com uma ilustração que se repete criando um padrão diferente para cada volume. O que mais me chamou a atenção foi como as capas ficaram clássicas e captaram a vibe de Harry Potter mesmo nessa pegada mais clean e direta ao ponto. O acabamento sugerido é em tecido, imagina que linda seria essa edição se ela tivesse sido produzida de verdade? Vale conhecer mais o trabalho da designer e claro, mergulhar novamente nos livros. ;)

Raxenne Maniquiz · Behance · Instagram · Twitter

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Três cores se sobrepondo e formas geométricas simples formam essas lindas ilustrações de bicicletas em modelos vários, criadas pelo chileno Daniel González. Eu que sou fascinado por bicicletas (e amarelo, e ilustrações, e detalhismos) fiquei apaixonado pelo trabalho do ilustrador e foi impossível não compartilhar com você aí. Interessante como as forminhas no estilo memphis ajudaram na sensação de movimento, percebam. ;)

Ilustração bicicleta

Ilustração bicicleta

Ilustração bicicleta

Ilustração bicicleta

Ilustração bicicleta

Ilustração bicicleta

Ilustração bicicleta

Ilustração bicicleta

Ilustração bicicleta

Daniel González · Behance · Site

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Sabe quando a gente esbarra em uma foto específica de tempos em tempos na internet? Foi assim com essa aqui embaixo, com a modelo Jeneil Williams. Me imaginem na cena, encantado toda vez. Não sei por que demorei tanto pra tomar a atitude de pesquisar mais sobre ela e transformar em pauta para o blog, mas quando finalmente fiz isso, uma bela surpresa: as outras fotos do editorial são tão lindas quanto.

Jeneil Williams por Julia Noni para a Vogue Alemanha

Já adianto a dica de não parar por aqui e pesquisar todo o trabalho da Jeneil, é aquele tipo de beleza que te deixa meio atônito, sabe? O ensaio foi feito para a edição de setembro da Vogue Alemanha, pela fotógrafa Julia Noni, e a ela vamos dar os devidos parabéns por capturar muito bem essa mistura tão bonita da pele negra da modelo, cores vibrantes e a paisagem natural.

Jeneil Williams por Julia Noni para a Vogue Alemanha

Jeneil Williams por Julia Noni para a Vogue Alemanha

Jeneil Williams por Julia Noni para a Vogue Alemanha

Jeneil Williams por Julia Noni para a Vogue Alemanha

Jeneil Williams por Julia Noni para a Vogue Alemanha

Jeneil Williams por Julia Noni para a Vogue Alemanha

Jeneil Williams por Julia Noni para a Vogue Alemanha

Jeneil veste Nina Ricci, Missoni e Blumarine. Styling por Kathrin Schiffner, cabelo por Joseph Pujalte e maquiagem de Hugo Villard.

Jeneil Williams · Instagram
Julia Noni · Site · Instagram

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

A última vez que usei minha Zenit 122 foi no final de 2012, cê tem noção disso? Vão fazer 5 anos e eu estou muito chocado com essa informação. Como previ no post da época, o motor da câmera já estava dando os primeiros sinais de falência e não deu outra: ela ficou parada todo esse tempo porque parou de vez. Alguma coisa estava presa (ou bamba) nas engrenagens e isso fazia com que eu não conseguisse passar para o próximo frame do filme, fotografando tudo pela metade. Daí que eu não tive muita saída, já que não conheço nem consegui achar alguém que consertasse aqui na região de Cataguases e Juiz de Fora. Resultado? Câmera na gaveta.

Até que num belo dia de céu azul eu decidi tomar uma atitude. Pesquisei nas profundezas da internet por vídeos, postagens de blog, conserto de outras câmeras, tudo pra ver se alguma coisa, qualquer coisa me dava uma esperança. Acabei abrindo a câmera e forçando uma pecinha que tem embaixo da manivela de rodar o filme e era isso, minha Zenit 122 voltou a funcionar que é uma beleza e eu fiquei me culpando por não ter feito isso antes.

Fotos analógicas Zenit 122

Fotos analógicas Zenit 122

Entre o mês de outubro de 2016 e março de 2017 fotografei situações do cotidiano, como sempre gostei de fazer com fotografia analógica. Usei o filme Ultramax ISO 400 da Kodak pra dar uma variada em relação ao clássico ColorPlus 200. A câmera ainda tem algum probleminha que cria pontos de luz no mesmo lugar em todas as fotos, provavelmente mofo na câmera. Tirei na edição, mas tenho que ver isso direito. Por enquanto vocês ficam com as minhas favoritas desse rolo. ;)

Fotos analógicas Zenit 122

Rolê pra ver e comprar plantinhas? Teve sim.

Fotos analógicas Zenit 122

Andando pela UFV quando fui dar uma palestra no ano passado.

Fotos analógicas Zenit 122

Fotos analógicas Zenit 122

Sabe a vontade que dá de fotografar alguém ou alguma situação bonita e bate uma vergonha de pedir? Pois eu fui em frente e abandonei esse medo. O casal deitado, o cachorrinho e os amigos aqui embaixo são resultados disso.

Fotos analógicas Zenit 122

Fotos analógicas Zenit 122

Fotos analógicas Zenit 122

Fotos analógicas Zenit 122

Fotos analógicas Zenit 122

Fotos analógicas Zenit 122

O engraçado dessa última é que esse lugar não emite nenhuma luz azul nem rosa, foi tudo resultado da revelação (e eu dei uma intensificada, não vou mentir). Nada como a surpresa de saber como saíram as fotos de um filme. ?

Você aí sentia falta desse tipo de post aqui no blog? Comenta aqui embaixo o que achou das fotos! ;)

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+