Era fim de janeiro quando eu fechei o blog, mas não o suficiente pra eu colocar no ar a primeira seleção de fotos dos leitores de 2014. Daí pra frente as fotos foram acumulando e eu desanimando, mas tirei um tempo — um dia inteiro, mais precisamente —  para rever tudo o que passou pelo grupo no Flickr nesses quatro meses e fazer esse post. Foram quase 300 fotos pré-selecionadas, e dessas, separei 40: 10 representando cada mês. Vamos ver quais de vocês apareceram por aqui? :)

Janeiro

Veja o restante das imagens

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Nina e Gramps estão casados há 61 anos e nunca tiveram fotos juntos, a não ser uma única do próprio casamento. Foi aí que a fotógrafa Lauren Wells — esposa de um dos netos do casal — decidiu que o melhor presente para a comemoração seria uma sessão de fotos especial, que representasse todos esses anos de cumplicidade, amor e amizade que eles compartilharam, sem nunca terem tirado as alianças.

A inspiração foi o filme Up – Altas Aventuras, da Pixar, que se já é emocionante em animação, imagina agora retratado numa situação real! Lauren conta que Gramps no fim das contas sempre usou gravata borboleta, então não tinha uma referência melhor, certo? Vem morrer de amores com as fotos:

Up Anniversary by Lauren Wells

Up Anniversary by Lauren Wells

Up Anniversary by Lauren Wells

Up Anniversary by Lauren Wells

Up Anniversary by Lauren Wells

Up Anniversary by Lauren Wells

Up Anniversary by Lauren Wells

Up Anniversary by Lauren Wells

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Fazer sem prometer

Anteontem eu dormi duas horas durante a noite, tudo porque milhões de ideias e planos passavam pela minha cabeça quando eu deveria estar dormindo. Não se enganem, eram todas coisas boas, inclusive tive meu primeiro insight sobre meu futuro TCC. Mas enquanto já não aguentava mais meu cérebro trabalhando e implorava por uma folga, percebi que 95% do que eu tinha pensado ali eu já tinha pensado outras vezes, já tinha anotado, detalhado, criado um plano de ação até. O próprio ato de cair na real já tinha acontecido antes, e é basicamente o mesmo processo: eu tenho uma ideia, me aprofundo nela, anoto, talvez até crio um planejamento de como conseguir colocar aquilo em prática, mas nunca faço muita coisa sobre. Fica ali, no caderno fechado, até o dia em que eu lembrar daquilo, pensar novamente sobre e me tocar de que eu sempre repito esse mesmo ciclo. O post de hoje é pra compartilhar um pouco dessa frustração que me bateu forte aqui agora, em plena madrugada. Mas é só um pouco dela.

Decidi investir em um objetivo de cada vez, e dividi-lo em outras pequenas fases que vão me ajudar a chegar até o fim do projeto em si. Já perceberam o quanto é desanimador fazer uma tarefa (mesmo simples) quando se pensa nela como um todo? É isso que eu quero evitar, mas se vou conseguir ou não será algo para os bastidores, porque decidi também fazer tudo em segredo, não sair por aí prometendo pros outros coisas o que não diz respeito a eles, e sim a mim. Anunciar pros amigos que vou começar uma dieta, por exemplo. Isso só cria uma pressão desnecessária pra que você prove lá na frente que estava certo e que conseguiu. Pra quê? A falha não é um problema tão grande se só você tem conhecimento dela, porque só você entende exatamente porque ela aconteceu, certo? Nada melhor do que deixar que os outros se surpreendam sem você ter prometido nada. Fazer sem prometer.

Mas não se enganem, o foco aqui é satisfazer a si mesmo; no caso, a mim mesmo. Não é sobre ligar pro que os outros vão pensar, mas sobre evitar pressões desnecessárias que só vão acabar me desmotivando nos meus objetivos. Desafiar a mim mesmo, em vez de ser desafiado por todos à minha volta.

Quem acompanha o Melhor Ângulo e consequentemente um pedacinho da minha vida, aí vai o exercício: reparem. Reparem os posts no futuro e vejam as pequenas evoluções que eu fizer. Se eu comprar uma câmera nova, por exemplo, apenas pensem: “Será que ele está melhorando o equipamento fotográfico dele aos poucos?”. Eu não vou dizer se é essa é a finalidade, mas se for e eu conseguir, aí sim, aguardem o post de missão cumprida.

Pronto, desabafei. Agora me deixem ir dormir, amanhã vou pra Cataguases e ainda tenho que fazer as malas! Mas não vou prometer nada sobre fechá-las. ;)

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Há mais ou menos um mês eu fui num dos McDonald’s aqui de Juiz de Fora e fiz um pedido pra viagem. Era um típico combo de hambúrguer, refrigerante e batata, mas o copo foi um grande problema: tive que trazer na mão, enquanto hambúrguer e batata se espremiam naquele saco de papel, muito pequeno pros três itens. Quando perguntei à atendente se havia alguma embalagem própria para carregar copos por aí, ela só tinha uma opção, pra dois copos, o que só pioraria a minha situação.

Calma, esse post não é uma grande reclamação. É que depois desse dia, eu fiquei pensando em como as redes de fast-food não se preocupam muito com os clientes mais apressados, que não vão parar numa praça de alimentação pra comer; se não existia uma maneira mais funcional para as embalagens “to go”, e se algum designer por aí já tinha projetado uma proposta interessante, seja oficialmente em conjunto com uma das marcas, ou como trabalho pessoal mesmo. Levando em conta que tudo já foi feito nessa vida, é óbvio que eu encontrei material muito bacana pra mostrar pra vocês. :)

O primeiro projeto é do estudante Seulbi Kim, da Rhode Island School of Design. Ele desenvolveu uma “sacola” que comporta os três principais itens de um combo tradicional ocupando 50% menos volume e utilizando menos papel. A única coisa que eu não vi Seulbi detalhar é como o papel aguentaria o peso de um copo cheio, e se o “suor” que ele gera não agravaria mais ainda a situação, rasgando a embalagem.

Togo Burger by Seulbi Kim

Togo Burger by Seulbi Kim

Togo Burger by Seulbi Kim

Togo Burger by Seulbi Kim

O segundo projeto é do também estudante Robert Bye, da Brunel University em Londres, que nesse caso focou no consumo exagerado de papel na fabricação das caixas e das sacolas. Para solucionar o problema, ele usou o combo do Big Mac do McDonald’s como exemplo: colocou as batatas junto com o hambúrguer numa caixinha, e ao lado, deixou um espaço próprio para o copo. Para entender melhor como funciona, assista o vídeo e dê uma olhada nas imagens abaixo:

Fast-food Packaging Redesign by Robert Bye

Fast-food Packaging Redesign by Robert Bye

Continue Lendo

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+