17 • setembro • 2014

Blog Melhor Ângulo

No último post de 2013 eu falei sobre como eu “prevejo” se os anos serão de transição ou ação, ou seja: se serão de adaptação e pequenas novidades ou se terão muitas coisas acontecendo ao mesmo tempo e o tempo todo. 2014 definitivamente tem sido um ano de ação e só nos últimos meses eu: fui contratado em uma agência de design digital aqui em Juiz de Fora, comecei a ter aulas à noite na faculdade, fiz uma série de trabalhos como freelancer, cuidei sozinho de um apartamento e por tudo isso, pouco se ouviu do Zé neste blog.

Uma vez eu tweetei sobre como eu sempre quero fazer tudo e acabo não fazendo nada. Não é bem assim (no Twitter a gente tende a ser mais dramático), mas o fato é que o prazer que eu sinto escrevendo aqui foi sendo substituído pelas obrigações que eu precisava cumprir nas outras áreas da minha vida. É fato que a preguiça foi também de grande influência: depois de passar o dia em frente a uma tela e chegar em casa às 19h30, tudo que eu queria era tomar um banho e assistir a 3 episódios de alguma série, é pedir demais? Não me levem a mal: produzir conteúdo continua sendo uma paixão, mas às vezes não há prazer que vença o cansaço.

É por isso que eu decidi aproveitar esse momento mais e$tável e dar um tempo nos projetos como freela. Não nos atuais e em negociação, mas nos que poderiam vir nos próximos meses. Em outros tempos eu precisaria deixar o Melhor Ângulo de lado, porque querendo ou não, não é dele que eu tiro meu sustento. Então vocês devem imaginar minha felicidade ao poder focar minha atenção aqui, pra variar. Quero me testar, descobrir se com mais tempo eu consigo investir no MA com o afinco que ele merece. Faz meses que eu penso em organizar o conteúdo antigo do blog que ainda traz novos leitores, meses que eu tento finalizar as aplicações da identidade visual e não consigo, anos (sério) que eu planejo colocar um portfólio no ar. Essa pode ser a hora! Sem promessas, apenas tentando.

Talvez eu não apareça com novos posts todos os dias, mas podem ter certeza que estarei trabalhando em alguma coisa para o Melhor Ângulo a partir de agora. Quietinho, no meu canto. Mas podem deixar, quando tudo estiver pronto vocês saberão. :)

Tenho 21 anos, sou de Cataguases (Minas) e trabalho como web designer, sempre mantendo e praticando minha paixão pela fotografia nas horas vagas.
Compartilhe:



17 • abril • 2014

Fazer sem prometer

Anteontem eu dormi duas horas durante a noite, tudo porque milhões de ideias e planos passavam pela minha cabeça quando eu deveria estar dormindo. Não se enganem, eram todas coisas boas, inclusive tive meu primeiro insight sobre meu futuro TCC. Mas enquanto já não aguentava mais meu cérebro trabalhando e implorava por uma folga, percebi que 95% do que eu tinha pensado ali eu já tinha pensado outras vezes, já tinha anotado, detalhado, criado um plano de ação até. O próprio ato de cair na real já tinha acontecido antes, e é basicamente o mesmo processo: eu tenho uma ideia, me aprofundo nela, anoto, talvez até crio um planejamento de como conseguir colocar aquilo em prática, mas nunca faço muita coisa sobre. Fica ali, no caderno fechado, até o dia em que eu lembrar daquilo, pensar novamente sobre e me tocar de que eu sempre repito esse mesmo ciclo. O post de hoje é pra compartilhar um pouco dessa frustração que me bateu forte aqui agora, em plena madrugada. Mas é só um pouco dela.

Decidi investir em um objetivo de cada vez, e dividi-lo em outras pequenas fases que vão me ajudar a chegar até o fim do projeto em si. Já perceberam o quanto é desanimador fazer uma tarefa (mesmo simples) quando se pensa nela como um todo? É isso que eu quero evitar, mas se vou conseguir ou não será algo para os bastidores, porque decidi também fazer tudo em segredo, não sair por aí prometendo pros outros coisas o que não diz respeito a eles, e sim a mim. Anunciar pros amigos que vou começar uma dieta, por exemplo. Isso só cria uma pressão desnecessária pra que você prove lá na frente que estava certo e que conseguiu. Pra quê? A falha não é um problema tão grande se só você tem conhecimento dela, porque só você entende exatamente porque ela aconteceu, certo? Nada melhor do que deixar que os outros se surpreendam sem você ter prometido nada. Fazer sem prometer.

Mas não se enganem, o foco aqui é satisfazer a si mesmo; no caso, a mim mesmo. Não é sobre ligar pro que os outros vão pensar, mas sobre evitar pressões desnecessárias que só vão acabar me desmotivando nos meus objetivos. Desafiar a mim mesmo, em vez de ser desafiado por todos à minha volta.

Quem acompanha o Melhor Ângulo e consequentemente um pedacinho da minha vida, aí vai o exercício: reparem. Reparem os posts no futuro e vejam as pequenas evoluções que eu fizer. Se eu comprar uma câmera nova, por exemplo, apenas pensem: “Será que ele está melhorando o equipamento fotográfico dele aos poucos?”. Eu não vou dizer se é essa é a finalidade, mas se for e eu conseguir, aí sim, aguardem o post de missão cumprida.

Pronto, desabafei. Agora me deixem ir dormir, amanhã vou pra Cataguases e ainda tenho que fazer as malas! Mas não vou prometer nada sobre fechá-las. ;)

Tenho 21 anos, sou de Cataguases (Minas) e trabalho como web designer, sempre mantendo e praticando minha paixão pela fotografia nas horas vagas.
Compartilhe:



15 • janeiro • 2014

Pés na água

Eu sempre fui fascinado pelas estações do ano. Tenho uma lembrança em especial da minha infância, onde eu, pirralho, coloria um desenho (daqueles mimeografados) com uma mesma paisagem no outono, inverno, primavera e verão. Achava interessante, sabe? Como podiam ser tão diferentes? Mais tarde eu entenderia porque não nevava na minha cidade, ou porque as flores não desabrochavam da noite pro dia: alguém me explicou que no hemisfério sul as estações não eram tão divididinhas, que o verão e o inverno eram as que mais davam para sentir na pele.

A partir daí as duas começaram uma briga sem fim pela minha preferência. Ainda criança, preferia o verão porque era sinônimo de férias, achava mais divertido e tinha mais ânimo para inventar moda em casa: fazer picolé, tomar banho de mangueira, brincar até tarde na rua. Já maior, eu me vi uma dessas pessoas que dizem amar o inverno e são irredutíveis sobre isso. Era só chegar o fim do ano que o sentimento bom de festas entrava em conflito com o calor e me deixava mal humorado, implicante e reclamão.

vani verão (1) vani verão (2)
vani verão (3) vani verão (4)

Percebi também que era influenciado pelos clichês “no inverno as pessoas se vestem melhor” ou “no inverno dá pra ficar debaixo do cobertor vendo um filminho e comendo pipoca”, mas a verdade era que com meus 12 anos de idade minhas roupas ainda eram escolhidas pela minha mãe (pense num armário todo azul marinho) e eu raramente assistia filmes a não ser os da Sessão da Tarde.

Passei anos assim, dizendo a todos os cantos que o inverno sambava no verão, até que há alguns meses eu lembrei de todo esse meu histórico com as estações e decidi reparar melhor no que acontecia em cada uma delas. Descobri que assim como tudo na vida, o inverno tem seus contras e o verão por incrível que pareça tem seus prós, características essas que não vou citar aqui porque continuo achando que é uma questão de opinião, e de bagagem. Já parou por exemplo pra pensar que coisas incríveis (ou não) que te aconteceram em determinado mês podem ter te ajudado a construir essa preferência?

Em vez de reclamar no Twitter como fiz um dia desses, aprendi que dá para sobreviver ao verão com um conjunto de 5 coisas simples: um ventilador, bermudas, sucos de frutas (gelo extra), banhos frios e um bom óculos de sol. E digo mais: se eu sair por aí me sentindo bem comigo mesmo, não há suor que vai me vencer!

vani verão (1) vani verão (2)
vani verão (3) vani verão (4)

Parece uma explosão de otimismo, né? Chega a soar estranho e pode gerar até uma vergonha alheia em algum de vocês, mas acho que aquela fase adolescente de reclamar de tudo já passou pra mim. As responsabilidades na vida de um rapaz de 21 anos só vão crescendo, e com elas as coisas vão ficando mais sérias, difíceis e estressantes. Não dá pra se fechar num cômodo de negatividade num cenário assim, sabe? Aos 15 eu disse a mim mesmo que nunca mais seria o garoto influenciável e sem personalidade que eu era. Ainda hoje me restam alguns obstáculos para chegar ao 100% eu mesmo, e foi com um exemplo simples como o do verão que eu quis compartilhar duas das minhas conquistas mais recentes: descobrir que tudo bem mudar de ideia e que é possível ser mais positivo sobre a vida.

E você, o que pensa sobre o verão?

Tenho 21 anos, sou de Cataguases (Minas) e trabalho como web designer, sempre mantendo e praticando minha paixão pela fotografia nas horas vagas.
Compartilhe:



07 • janeiro • 2014
Presentes

Foto por Half Girl

Eu nunca tinha feito uma wishlist de aniversário, Natal, dia das crianças, nada disso aqui no blog. Mas eu venho inspirado especialmente em 2014 para presentear meus parentes e amigos, e aproveitando o início do ano e meu bday que está chegando (dia 30), resolvi encarar minha pasta “Compras” nos favoritos do Chrome — repleta de links de coisas que eu nem lembrava que queria mais! —, organizar tudinho e montar essa lista, acrescentando alguns desejos recentes que não tive tempo de pesquisar antes.

Acho que não tem necessidade, mas quero deixar claro que não estou pedindo nada disso a vocês só porque eu tenho caixa postal, ok? Ter tido todo esse trabalho vai ajudar mais é a mim mesmo quando eu tiver uma graninha extra no decorrer do ano e estiver a fim de comprar alguma dessas coisas. Mas de qualquer forma, dedico esse post à minha mãe, porque essa sim certamente receberá o link da wishlist no chat do Facebook dela. ;)

Wishlist de aniversário

Livraria

  1. Essa semana eu resolvi pesquisar por dois livros que me lembram muito a minha infância, livros que a gente pegava aleatoriamente na biblioteca e lia pra aula de português, mas com o diferencial de que esses em especial eu li mais de uma vez na época, de tanto que eu adorava. E-mãe – A Internet Me Aprontou Uma é narrado pela rabugenta Ana e mostra sua evolução enquanto luta para aceitar a nova namorada do pai divorciado.
  2. Pacto de Sangue é outro que li e reli. Conta a história de três amigos que encontram uma maleta misteriosa e fazem um pacto relacionado à ela (não lembro bem se é para não abrir ou para não desistir de descobrir o dono). Chegamos até a fazer um teatrinho na época, com direito a roteiro adaptado, hahaha.
  3. My Adventure Book, inspirado no filme Up – Altas Aventuras;
  4. Paris versus New York: A Tally of Two Cities (já apareceu aqui no blog);
  5. Box com as 6 temporadas de Sex and the City, uma das minhas séries favoritas;
  6. Box com a trilogia Jogos Vorazes, uma obsessão recente.
  7. Um pouco de estudo com o Brand Thinking and Other Noble Pursuits e o número 9;
  8. Recentemente a Mel do A Series of Serendipity falou sobre o Q&A a Day e eu que sou apaixonado por esse tipo de livro (?) quis na hora;
  9. Elegantissima: The Design and Typography of Louise Fili;
  10. Esse eu vou ter uma hora ou outra na vida. As 10 temporadas de Friends nesse box vermelho lindo, o único em que as capas dos DVDs são como nas temporadas individuais, muito mais bonitas.
  11. Mais um que a Mel indicou, mas que eu estou querendo já há muito tempo: One Line a Day.

Cozinha

  1. Eu ia comprar essa garrafinha retrô para leite hoje mesmo, mas me surpreendi com uma taxa de outra compra nos Correios e tive que usar o dinheiro. Teve que voltar para a wishlist. :(
  2. Uma panelinha de cerâmica charmosa e fácil de lavar para fazer brigadeiro ou chocolate quente naqueles dias que a gente só quer comer, mas lavar a louça nem pensar;
  3. Esse conjunto de bowls coloridos vive desaparecendo do site do Shoptime, agora mesmo ele só está disponível em kits. :( Mas acho que uma hora volta pro estoque, e aí eu vou querer com certeza.
  4. Nota mental: ser bem sucedido na vida com o objetivo de comprar uma KitchenAid. Lembrar de decidir entre uma vermelha, azul ou amarela.

Decoração

  1. Almofada Mapa Mundi, porque eu adoro mapas, globos e coisas do tipo;
  2. Uma cadeira confortável devidamente desenhada para um escritório, essa é necessidade e minhas costas agradecem;
  3. A moldura linda e amarela de Friends para meu futuro apartamento com porta roxa;
  4. Almofada Pop Art Wonder Warhol;
  5. Uma cadeira de design Charles Eames (no futuro as 4 ou 6 de uma mesa) para deixar a cozinha mais bonita;
  6. Terceira almofada, essa provando que eu também adoro bicicletas.

Vestuário

Aqui eu não vou nem listar os itens, porque são poucos e todos salvos num dia que eu estava fuçando a ASOS de cabo a rabo. Primeiro um cinto discreto, um óculos com pegada navy e muitos bonés, porque eu descobri que fico bem usando e agora quero todos: 4, 5, 6 e 7.

Outros

  1. Preciso de uma mochila nova, porque não quero esperar a minha estragar e ficar sempre só com uma peça. Indeciso sobre qual eu acho mais bonita, essa toda preta botonê ou a número 4;
  2. Amigos ricos, essa é pra vocês: marcadores Copic na minha vida pra já, por favor;
  3. Perfume 212 Vip Men, Carolina Herrera, para me lembrar de bons momentos;
  4. Mochila cinza da Imaginarium;
  5. Bolsa para câmera tipo carteiro Jaiminho;
  6. Uma câmera analógica “nova” para chamar de minha! Venho reparando muito nas fotos feitas por aí com a Canon AE-1 e ando apaixonado, viu? Em breve quero começar a fuçar o Mercado Livre à procura de uma bem lindona.
  7. Washi tapes gente, de todas as cores e padrões. Podem me dar todas que eu aceito!

Ufa, quanta informação! Foi divertido, espero que vocês acabem descobrindo algumas coisas legais através da minha wishlist. Quem sabe não entra na de vocês também? ;)

Tenho 21 anos, sou de Cataguases (Minas) e trabalho como web designer, sempre mantendo e praticando minha paixão pela fotografia nas horas vagas.
Compartilhe: