Categoria: Fotografia - Página 30 de 30 - Melhor Ângulo

Um dos campos que mais me interessa na fotografia é a editorial/de moda, acho incrível brincar com conceitos e temáticas e traduzi-los em fotos que envolvam beleza e estilo. O pior é que todos os dias modelos e celebridades posam para fotógrafos incríveis da área, mas nem sempre ouvimos muito burburinho sobre esses ensaios, apesar de muitos serem maravilhosos e merecerem total destaque da mídia. De vez em quando vou tentar trazer essas fotos pra vocês verem por aqui, começando hoje, com a última sessão de Kristen Stewart para a revista americana W Magazine.

Kristen Stewart W Magazine 2011

Kristen Stewart W Magazine 2011

Kristen Stewart W Magazine 2011

Kristen Stewart W Magazine 2011

Kristen Stewart W Magazine 2011

As fotos feitas pela dupla Mert Alas e Marcus Piggott, que tentaram em um cenário inspirado nos anos 60 mostrar o lado “mulher fatal” de Kristen, muitas vezes chamada de sem sal e desleixada por aí. Em Amanhecer, novo filme da franquia “Crepúsculo”, Bella já é vampira e esse foi um dos principais pontos da entrevista que ela deu à edição.

Kristen Stewart W Magazine 2011

Veja outros ensaios na tag #recheioderevista e me conta aqui embaixo o que achou das fotos! ;)

Kristen Stewart · IMDb
Mert Alas & Marcus Piggott · Instagram Mert · Instagram Marcus · Facebook · Tumblr

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

O post hoje é pra acabar com um mito que começou com as propagandas impressas, de TV e rádio, quando as câmeras digitais foram lançadas: os megapixels.

Quando compramos um celular, geralmente olhamos se ele é bonito, se chama a atenção ou se atende ao que você pretende fazer com ele, raramente olhamos qual a resolução da pequena câmera que já vem acoplada. Mas na hora de comprar uma câmera de verdade, aposto que a maioria que está lendo colocou os megapixels no podium dos requisitos, eu mesmo já pensei assim e por muito tempo.

Passa dia passa mês, lendo vários sites de fotografia, aprendi há cerca de dois anos que uma câmera com 1 milhão de megapixels não faz pior a sua com 6. Os megapixels definem as dimensões da sua foto em altura e largura, ou seja, quanto mais megapixels forem usados para tirar a foto, maiores serão suas dimensões e consequentemente, maior o espaço que ela vai ocupar no cartão de memória e no seu computador. Coisas que de fato fazem sua câmera ser considerada melhor que as outras são: lente, as configurações manuais que ela oferece e a tradição da marca.

Quando colocamos o máximo de megapixels pra tirar nossas fotos, é como se estivessemos dizendo pra câmera: “Deixa essa foto bem grandona porque depois eu quero revelar em tamanho gigante pra colar na minha parede, ok câmera?”. Se você não vai fazer isso nem vai editar sua foto detalhadamente no Photoshop não há necessidade de utilizar o máximo de megapixels da sua câmera. Mas também não exagere: nunca use 1, 2, até 3 megapixels apenas. Depois se você quiser cortar só um pedacinho da foto ou quiser ver os detalhes no zoom, não vai ter como, o tamanho pequeno não vai ajudar. Eu recomendo trabalhar com de 4 a 8 megapixels, você não pesa tanto o seu computador e ainda sim consegue manusear muito bem as fotos.

Se ver alguém por aí querendo comprar uma câmera pensando só na quantidade de megapixels, passe essa dica adiante, quanto mais pessoas sabendo sobre isso melhor!

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Hoje vamos entender um pouco mais sobre um dos termos mais conhecidos da fotografia analógica, os light leaks. A tradução para o nosso português é “vazamentos de luz”, e eles não são nada mais nada menos do que aquelas manchas vermelhas, laranjadas e amareladas que sempre apareciam nas suas fotos antigas.

Na verdade, esses vazamentos são de fato acidentes, quando sem querer você abre aquela tampa onde o filme da sua câmera fica. A luz entra naquele espaço e acaba de certa forma “queimando” o filme. Quando isso acontece nós fechamos rapidamente essa tampa de volta, o resultado é apenas uma mancha que geralmente não se “espalha” por todas as outras fotos do filme.

Por ser um acidente, muitos criticam esse tipo de efeito, mas na verdade ele só está ganhando mais espaço hoje em dia, principalmente entre nós, fotógrafos amadores e amantes das fotografia analógica. Quando eu descobri isso tudo, fiquei louco pra tentar fazer o efeito artificialmente, no Photoshop. No início foi um desastre, mas com o tempo as coisas melhoraram. Vou mostrar meus dois jeitos de conseguir os tons certos, e uma dica que vai ajudar a parecer mais real.

DEGRADÊ E PINCEL

Depois de editar sua foto, crie uma nova camada de degradê que vá do vermelho (não muito forte, um vinho de preferência) até o transparente. Ajuste o ângulo do degradê e o tamanho. Depois é só colocar essa camada no modo de mesclagem divisão e pronto! Você pode fazer esse processo usando o pincel em vez do degradê, mas use um bem esfumado. É só pintar com o vermelho nos cantos da foto, onde achar que fique melhor e mudar o modo des mesclagem. Entenda melhor no print.

TEXTURAS PRONTAS

O deviantART disponibiliza poucas texturas desse tipo, mas as que tem ajudam e muito. É só vir aqui, abrir cada uma, salvar, e quando aplicar na foto, coloque no modo de mesclagem divisão, como no caso acima.

DICA

O mais importante pra fazer esse efeito é saber do que estamos falando, se você não sabe, dê uma olhada aqui. Agora fica fácil. Faça os efeitos pensando nessas fotos, tente copiar os mesmos tons, faça de tudo pra ficar parecido, pois apenas colocar um degradê laranjado não vai te dar o resultado de foto aparentemente analógica e acaba ficando muito ruim como já vi muito por aí.

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+