08 • janeiro • 2013

Carl Chapman

Sebos são espaços geralmente pequenos e modestos, mas muito bem frequentados por pessoas interessadas em leitura e que buscam bons livros com bons preços. Páginas amareladas – mais do que o normal – e bastante poeira são características muito comuns, mas faz parte e vale a pena. Onde mais você encontraria materiais raros, esquecidos por anos e com valor histórico acumulado assim?

Quando posso, gasto minhas tardes quentes de verão entre as frias e extensas estantes. Aqui vão 5 dicas para você que quer aproveitar melhor o local da próxima vez:

  1. Sempre vá com algo já em mente, seja um título ou um autor;
  2. Dê preferência para o canto de livros desorganizados. Mesmo que seja difícil encontrar o que está procurando, na maioria das vezes é nessa hora que você encontra algo raro ou que lhe chama a atenção;
  3. Passe por todas as prateleiras. Vocês não sabem o que eu já encontrei na seção de culinária!
  4. Se achar um livro que goste mas que está em más condições, continue procurando. É bem possível que exista outro exemplar perdido em meio aos montes.
  5. Nem sempre é legal ficar sozinho cheirando poeira, então leve um amigo e faça-o passar por poucas e boas com você!

Espero que sua próxima visita a um sebo seja muito proveitosa! Gostaram das dicas? :)

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Proin nec pharetra odio. Vestibulum at semper ante. Pellentesque feugiat lobortis facilisis.
Compartilhe:



03 • outubro • 2012

Então pessoal, esse é o último post da nossa mini série! Já revisamos muita coisa, mais ainda faltam dois itens super importantes pra você parar e analisar, vamos lá:

Tipografia

A fonte utilizada no site diz muito sobre ele, então errar nessa escolha depois de todo um processo está fora de cogitação, né? Bom, vamos primeiro ver algumas fontes que você deve evitar (e quando eu digo evitar, é para sempre!): Comic Sans, Jokerman, Monotype Corsiva, enfim, todas essas fontes comuns e que já estão saturadas de tanto uso, ou melhor, mau uso.

Eu sei que associar a fonte a um conteúdo nem sempre é fácil, mas nada que possa ser superado. Primeiro: não se limite as fontes padrões do computador, navegue em sites com arquivos gratuitos como o Dafont e pesquise na internet! Só tenha cuidado na escolha, nem tudo que a gente vê por aí é boa coisa. Segundo: se decidir usar fontes personalizadas, é importante que ela abra nos principais navegadores como o Chrome, Mozilla e o – bullynado – Internet Explorer. Se não é você quem faz a programação do site, procure a pessoa responsável e coloque isso como prioridade. Terceiro: Legibilidade é essencial: o tamanho da fonte e o próprio desenho dela tem que ser legível; a cor também influencia, escolha uma que faça contraste com o plano de fundo. E muito cuidado: negrito e itálico não devem beirar o exagero.

Como falar de publicidade sem lembrar dos grandes centros cheios de outdoors? Essa aí é a Times Square, em Nova York.

Publicidade

Bem, pra falar a verdade, eu não gosto muito de anúncios, principalmente os indiscretos. É horrível acessar um site que mais parece um flyer de promoções. Quando você ver que chegou a hora de colocar anúncios  no site, seja sutil. O foco deve ser o conteúdo do site, as informações importantes sempre vêm primeiro. Depois, em lugares estratégicos (como nas  bordas da página) dê lugar a publicidade, mas sempre bom botões de fechar visíveis para dar a opção para o leitor.

O Zé já mencionou que mais pra frente fará um post dando conselhos sobre publicidade nos blogs, questões de ética e compromisso com os leitores, ansiosos? Qualquer dúvidas sobre os posts da série é só comentar, viu? :)

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Proin nec pharetra odio. Vestibulum at semper ante. Pellentesque feugiat lobortis facilisis.
Compartilhe:



27 • setembro • 2012

No primeiro post dessa mini série eu falei um pouquinho sobre os planos de fundo (backgrounds) e cores de um site ou blog, lembra? Pois é, hoje o assunto é o header, o topo, uma das partes mais importantes a serem avaliadas. Parece difícil identificar os problemas e as soluções para eles, mas parar um pouco e observar é realmente necessário, é olhando o topo de um site que na maioria das vezes o internauta decide se deve ou não continuar lendo o conteúdo do site! Ok, vamos de critério em critério:

Usabilidade: Antes de tudo, todo o conteúdo de um topo (do site inteiro, na verdade) precisa vir de forma funcional, ou seja, direcionar o leitor da forma mais simples e intuitiva possível, por isso é importante que você invista na estrutura e evite poluição e amontoado de informações. Se houver, mais trabalho será preciso para manter tudo harmonioso, não quer dizer que seja impossível ter usabilidade e muitas informações, apenas exige mais esforço e entendimento do assunto.

Criatividade: O quão diferente é o seu topo? Colocar elementos que lembrem o conteúdo (por exemplo, um livro aberto num blog sobre leitura) é sempre uma carta na manga, mas tente evitar o óbvio, procure ideias que conversem com a proposta, mas que não foram usadas em toda esquina.

Estética: Observe com cuidado: imagens que sobressaem outras (veja se figuras com fundo transparente foram bem recortdas e não estão com aquelas bordinhas brancas inaceitáveis), a visibilidade e legibilidade do nome do site, a harmonia das imagens com a paleta de cores escolhidas, e as fontes usadas (essas serão tratadas com mais detalhes no próximo post). Não se esqueça da resolução das imagens usadas: no topo, utilize de preferência a melhor qualidade de compressão (o Photoshop oferece qualidade de 1 a 12 por exemplo), a não ser que a imagem seja muito grande. Para os posts, qualidade 9 ou 10 é o suficiente para não pesar.

Interação com o usuário: Tente “conversar” com seus leitores através do layout! Invista em elementos que estimulem as pessoas a interagir, comentar, curtir, compartilhar, gerar a ideia de mostrar aquilo para os amigos.

Prometi que falaria dos slideshows, certo? Então vamos a eles. Os slideshows são feitos usando principalmente a linguagem JQuery e realmente mudam a cara do site, deixam com um “quê” de profissional, sabe? Alguns geram automaticamente as imagens e usam os inícios dos textos dos artigos para ficarem passando, mas dependendo do slide utilizado, uma pessoa precisa ficar responsável por atualizá-lo. Nesse caso, pense no slide como uma vitrine; nelas os vendedores mostram o que existe de melhor nas lojas, certo? Faça o mesmo, procure colocar os posts especiais, que te deram mais trabalho e que os leitores mais gostaram. Quando o slide não dispuser da parte do texto, coloque na imagem mesmo, sempre com bom senso e usando a paleta de cores e as fontes do layout para não destoar de tudo.

Pra fechar o post de hoje, mais quatro dicas rápidas:

1) Evite músicas que tocam quando o seu site abre, repense isso mesmo se música for o assunto principal ali. É impressionante o número de internautas que odeiam aqueles players, você não quer participar desse ódio todo, né?
2) Deixe a vista os links para as redes sociais do site se não se esqueça do botão para o feed!
3) Não obrigue o internauta a nada, como por exemplo: se cadastrar para ver o conteúdo e curtir a página no Facebook. Ganhe o leitor por mérito.
4) Projete seu site para ficar bem em todas as resoluções de monitores: 800 x 600, 1024 x 768, 1280 x 1024, 1366 x 768, etc.

No próximo post vou falar das fontes e de espaços para publicidade. Gostaram do assunto de hoje? Sugestões e criticas são bem vindas, viu?

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Proin nec pharetra odio. Vestibulum at semper ante. Pellentesque feugiat lobortis facilisis.
Compartilhe:



18 • março • 2012

Não adianta, a primeira pergunta que uma pessoa que está iniciando na fotografia se faz ao ver fotos lindas como essa aí em cima é sempre “Por que minhas fotos não ficam assim?”, tô certo ou não tô? Não sabemos a resposta e tão pouco como chegar em resultados melhores.

E é tudo mais simples do que você imagina: as principais chaves são o conhecimento e o bom gosto. Agora, como apurar os dois? O post de hoje dá dicas fáceis que vão te ajudar a apurar seu olhar aos poucos, com o tempo, lá na frente você vai olhar pra trás e ver que melhorou em ambos.

Conheça sua câmera

O primeiro passo é tão óbvio que eu tenho certeza que você já leu a mesma coisa em duzentos outros posts dentro de quinhentos outros blogs, é ou não é? Mas eu não posso ignorar, conhecer a sua câmera é indispensável. Como pretendemos tirar boas fotos se não sabemos pra que serve isso ou aquilo? Ou se só usamos o modo automático? Acreditem, não é tão difícil quanto parece e uma configuração melhor pode melhorar e muito suas fotografias.

Depois dos Quinze

Tenho 21 anos, sou de Cataguases (Minas) e trabalho como web designer, sempre mantendo e praticando minha paixão pela fotografia nas horas vagas.
Compartilhe: