Melhor Ângulo - Fotografia, decoração, design e tudo o que me inspira!

Eu já contei aqui que sonho em abrir um café um dia. É um tema que nunca me cansa e que sempre gera conteúdo bacana quando estou pesquisando por projetos de identidade visual e interiores, por isso me propus a compartilhar alguns dos meus achados aqui no blog, na tag Cafés Pelo Mundo. Vocês podem ver aqui, aqui e aqui outros posts que já entraram no assunto. :)

O café de hoje é o Stories, que fica em Oakwood (Reino Unido) e serve café artesanal, sucos prensados a frio e um menu baseado na cultura local. O conceito por trás do lugar é de que todos tem uma história para contar, e a deles é sobre a relação muito próxima que têm com seus fornecedores, selecionados a dedo. O briefing do projeto foi focado justamente nesse comprometimento com a origem dos produtos do café e também numa inspiração escandinava, presente na decoração e na apresentação dos pratos. Para transformar a teoria em prática, o estúdio independente Passport (Leeds, Reino Unido) foi o responsável pela criação da identidade, papelaria e auxílio nas embalagens.

Basicamente, a ideia de que “tudo tem uma história por trás” foi o ponto de partida e permeou toda a criação. A base dos impressos, por exemplo, foi definida depois de uma pesquisa sobre papeis produzidos de formas não convencionais. Os escolhidos são feitos de subprodutos (restos) de críticos, uvas, couro e da massa de grãos que sobra na produção de cerveja. A consequência natural do uso desses materiais é uma paleta de cores de tons frios e pastel. Muito interessante esse caminho que eles escolheram seguir, né?

Os cardápios tem tamanhos diferentes para cafés, comidas e sucos, e são presos em placas de madeira com um elástico, o que facilita a atualização.

Mini panfletos que contam como funcionam os processos no café.

O logo, simples e contemporâneo, utiliza os pontos para representar as pessoas por trás de tudo: os funcionários, clientes e fornecedores que criam as histórias. Ligando esses pontos é possível contar ainda mais histórias, sobre a viagem dos ingredientes da fonte original para o café, por exemplo.

As garrafinhas dos sucos são impressas somente com tinta branca e possuem apenas dois elementos: o logotipo e a lista de ingredientes, para deixar claro aos clientes que nenhuma substância extra e duvidosa foi adicionada.

Acho lindo quando uma marca tem uma construção simples, mas vai direto ao ponto e comunica seus significados. Bra-vo!

Stories Cafe
Roundhay Road, 454, LS8 2HU · Leeds · Reino Unido
Site · Instagram

Passport
Site · Behance Instagram Facebook

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Obsessão é um sentimento muitas vezes ligado ao lado mais negativo do comportamento de alguém, mas na fotografia esse estado de preocupação permanente sobre alguma coisa pode se transformar em uma intervenção positiva no trabalho de um fotógrafo. A obra icônica de Roger Mayne deixou evidente os traços da obsessão que tinha e a sua abordagem humanista foi influência para as gerações de fotógrafos que vieram depois dele.

Mayne, falecido em 2014, foi um fotógrafo inglês que ficou muito conhecido pelo seu trabalho que documenta o cotidiano de uma comunidade humilde de um bairro de Londres, particularmente a Southam Street. Entre 1950 e 1960, ainda jovem, ele fotografou repetidamente a mesma rua registrando 1400 fotos em 27 visitas.

A gente se pergunta: o que leva um jovem artista a tanta fixação por um lugar? Dá pra supor que ele tenha se atraído pela diferença social, já que nasceu em uma parte de Cambridge com gente muito diferente da classe operária da Southam Street; ou então a urgência em eternizar o lugar, motivado por algum tipo de pressentimento de que o bairro poderia sumir do mapa por conta da condição precária da região.

A verdade foi que em 1969 a área foi praticamente toda demolida para dar lugar a Trellick Tower, e daí sai mais uma hipótese: quem sabe Roger não teria sido motivado por valores mais altos e pretendesse fazer um statement político parecido com o trabalho do seu mentor Paul Strand? Acho que nunca vamos saber, mas qualquer que fosse o motivo que movia sua obsessão por aquele lugar, ele está eternizado em belos registros monocromáticos.

A galeria The Photographers’s Gallery em Londres está expondo desde março (e fica até junho) o trabalho de Roger Mayne, algo que não acontecia desde 1999, o que deve estar sendo muito bacana pra quem já conhecia o fotógrafo e sentia falta de um destaque maior, o que é muito merecido. Dizem que alguns dias são suficientes para ficar conhecendo o melhor de Londres, por isso ver com calma as fotos do fotógrafo seria com certeza um programa recompensador. A exposição abrange toda a obra de Roger, indo é claro, além das composições da Southam Street, incluindo por exemplo, seus primeiros trabalhos feitos na cidade de Leeds, onde desenvolveu o seu interesse por fotografia e adquiriu um estilo bem mais realista.

São várias séries de fotos de diferentes épocas que pedem para serem vistas, então se alguém aí estiver de bobeira por Londres (me chama!), ainda que seja só por dois ou três dias, vale super a pena incluir essa exposição no roteiro.

Ah, e se essa vibe de fotografia documental chama sua atenção, esse post sobre a fotógrafa Vivian Maier vem a calhar. ;)

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Motivação é essencial em qualquer projeto na vida, certo? Dos pessoais ao emprego registrado na carteira. Particularmente, eu não acredito muito na utopia do trabalho que não parece trabalho, mas acho que qualquer atividade precisa trazer um pouco de prazer, principalmente a que resulta no dinheirinho que paga nossas contas.

Trabalhando como freelancer há mais de 6 anos, fui percebendo que conciliar a liberdade de estar em casa com a responsabilidade de entregar um projeto de design exigia um pouco mais de motivação no trabalho do que o normal, afinal as vantagens de trabalhar em casa podem se transformar em desvantagens rapidinho, rapidinho. Por isso resolvi compartilhar com vocês 6 dicas pra se manter motivado na vida de freelancer, espero que dê um help aí!

Tenha um escritório: Calma, se você não tem um cômodo que pode transformar única e exclusivamente em escritório, tudo tem solução. O importante aqui é ter um espaço, por menor que seja, para ser sua pequena bolha de trabalho: pode ser uma escrivaninha ou um cantinho, de preferência longe da sua cama, que com certeza vai ficar te chamando o dia inteiro de volta pra ela. Se mesmo assim for difícil fazer essa separação (quando a mesa só pode ficar no quarto, por exemplo), tente mudar o clima quando estiver trabalhando: organize tudo de uma forma mais séria, deixe um bloquinho de anotações ou papeis necessários por perto, e quando o “expediente” terminar, é só guardar tudo e desligar o modo hard worker!

Acorde mais cedo: Eu sei, eu sei, se você saiu de um emprego só pra trabalhar de casa a última coisa que deve querer é acordar cedo. Mas eu não digo 6h da manhã, pode ser às 9h por exemplo, só não comece seu dia às 14h, por favor! Cada um tem seu reloginho interno, é verdade, mas você concorda que quanto mais cedo começar o trabalho, mais cedo vai terminar? Foca nisso e vai, sério.

Faça look do dia: Trabalhar de pijama de vez em quando é muito bom, a sensação de liberdade é revigorante, mas já experimentou se vestir bonitinho como se tivesse hora pra chegar no escritório? A motivação e o sentimento de proatividade é imediato, porque o cérebro entende que se você teve o trabalho de se vestir, é porque tem algo a fazer, e faz todo o sentido. Além da disposição, estar pronto pra sair na rua deixa o item nº 4 mais fácil ainda, olha só:

Tire vantagem de ser freela: Como eu já disse antes, ser freela é fazer seu horário, é ter a liberdade que outros trabalhos não permitem, então tire proveito disso: saia de casa, veja pessoas, leve o computador pra um café e passe a tarde trabalhando lá, faça exercícios quando ainda é dia, vá à academia quando ela estiver mais vazia, enfim, não fique preso em casa como ficaria no escritório. Se você já estiver pronto como no item 3 então… essa logística fica mais fácil ainda.

Encare lazer como recompensa: Uma das maiores tentações sendo freelancer é parar tudo o que cê tá fazendo e abrir o Netflix. Não. Faça. Isso. Principalmente o Netflix, programado pra te fazer passar o máximo de tempo navegando nele. Você pode fazer o que quiser? Sim, o objetivo desse post é te manter motivado, mas vamos equilibrar isso aí: em vez de simplesmente sentar e assistir metade dos episódios de Stranger Things, use esse lazer como a recompensa por ter terminado as tarefas que você se propôs para o dia. A ideia é te manter no pique, então não me venha trabalhar 1 hora e querer fazer um intervalo de 4, use essa dica com moderação!

Lembre-se porque começou: Por último e não menos importante, pelo contrário, tente se lembrar de vez em quando quais foram os motivos que te levaram a ser um profissional freelancer. Se foi a insatisfação com o que tinha antes, a vontade de ser seu próprio chefe ou de fazer seus horários, pare e volte lá no início de tudo. Ah, e reveja suas conquistas também! É como escalar uma montanha: quando você olha pra baixo você vê o quanto conseguiu. E alpinistas não param na metade do caminho. Se permita sentir orgulho e continue a fazer o que está fazendo!

Eu tento pensar nessas dicas sempre que possível, pra manter tudo andando nos conformes pra mim e pros clientes. Gostou? Deixa um comentário aqui embaixo, me conta se já tinha tido algum desses insights sobre ser freela. ;)

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+

Achei que 2016 seria só mais um ano, com as esperanças e os planos de sempre, nada demais. Mal sabia eu que a vida prepararia grandes arapucas não só pra mim, mas pra tanta gente por aí, um aninho que passou rápido como quem parecia ser inofensivo, mas não poupou problemas. Tá, é claro que não dá pra achar que depois de meia-noite tudo se resolveu. Ainda vai ter muito problema pra gente resolver sim, mas seguimos desejando coisas boas, torcendo por um ano melhor, e o mais importante: tentando enfiar na cabeça que nada muda se a gente fica parado só observando os dias passando e não fazendo nada.

Minhas “metas” continuam praticamente as mesmas, algumas delas já avançadas e alavancadas, e aproveitando que todo mundo anda dizendo que 2017 está marcado pra ser o início de um novo ciclo cheio de mudanças, por que não aproveitar? Mais do que qualquer coisa, 2016 me ensinou, muitas coisas, em todos as áreas da vida. Um dos destaques foi que aprendi o tal do foco, coisa que não sabia o que era há muito tempo, e agora é hora de aplicar todas essas lições num ano cheio de ação e de conquistas bacanas. Vamos tentar juntos?

Pode entrar, 2017, cê não sabe o quanto a gente te esperou.

Compartilhe:
Facebook Twitter Pinterest Google+